Ideli: preocupação com ameaça do PMDB sobre vetos

A ministra das Relações Institucionais, Ideli Salvatti, disse na tarde desta quarta-feira que o Palácio do Planalto está "acompanhando atentamente" a reunião de líderes do Congresso para discutir o critério de votação dos vetos presidenciais. "Para nós tem, obviamente, um alto grau de preocupação", admitiu. Ideli afirmou ainda que não acredita que o PMDB, partido do vice-presidente da República, Michel Temer, vá cumprir a ameaça de impedir votações no Câmara enquanto não for definido o critério de votações dos vetos.

DAIENE CARDOSO, Agência Estado

12 Junho 2013 | 18h52

"Não acredito que o PMDB, que é o partido do vice-presidente da República e que compartilha a responsabilidade de governo, tenha uma atitude de inviabilizar as ações e as votações estratégicas para o País", respondeu. A ministra enfatizou que a atitude do PMDB na Câmara traz "consequências para o País" e que o governo espera que o Congresso tenha "corresponsabilidade" com os destinos do País.

A ministra ressaltou que os vetos são feitos com base na inconstitucionalidade, em questões de interesse público e desequilíbrio fiscal. "São vetos que, se derrubados, terão grande impacto nas contas públicas, na questão da própria estabilidade fiscal e financeira do País. Portanto é algo, do ponto de vista do governo, que exigiria uma alta dose de responsabilidade na forma de tratar determinadas matérias", ponderou.

Apesar da preocupação com o PMDB do líder Eduardo Cunha (RJ), Ideli disse que essa semana não teve nenhuma conversa específica com o deputado para tentar chegar a uma solução. "Mantemos nossa relação normal de conversas", afirmou.

Mais conteúdo sobre:
Congresso vetos presidenciais Ideli

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.