Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Wilson Pedrosa/AE
Wilson Pedrosa/AE

Ideli explica compra de lanchas à Câmara no próximo dia 23

Contrato para aquisição de barcos é alvo de suspeitas levantadas pelo Tribunal de Contas da União

Ricardo Brito - Agência Estado

09 de maio de 2012 | 11h33

BRASÍLIA - A Comissão de Fiscalização e Controle da Câmara dos Deputados marcou para o próximo dia 23 o depoimento da ministra de Relações Institucionais, Ideli Salvatti, para explicar a compra de lanchas pelo Ministério da Pesca e Aquicultura, na época em que ela estava no comando da pasta.

 

A ida de Ideli foi acertada entre a ministra e o presidente da comissão, deputado Edmar Arruda (PSC-PR). A convocação da ministra, aprovada por oito votos a favor e sete contra há cerca de um mês, contou com o apoio decisivo de deputados da base aliada, insatisfeitos com a demora na liberação de verbas de emendas de parlamentares. O depoimento está marcado para as 10 horas da manhã.

 

"Foi uma compra absolutamente fora de qualquer normalidade", afirmou o deputado Vanderlei Macris (PSDB-SP), autor do requerimento de convocação, que não acredita no esfriamento do depoimento por causa da CPI do Cachoeira, que está tomando as atenções da opinião pública. "É importante esclarecer a compra, uma vez boa parte dos pagamentos foi na gestão dela", argumentou.

 

O caso do contrato de compra das 28 lanchas-patrulha foi revelado pelo Estado. Desse total de embarcações, pelo menos 23 ainda não entraram em operação ou estão com avarias no pátio da empresa, na Grande Florianópolis. Só 3 de um total de 28 lanchas estavam em funcionamento no segundo semestre do ano passado. A licitação ocorreu na gestão de Altemir Gregolin, que ocupou o cargo de 2006 a 2010.

 

As lanchas foram encomendadas por R$ 31 milhões pelo Ministério da Pesca em 2009, e parte da conta - R$ 5,2 milhões - foi paga já na gestão da ministra. O contrato é alvo de suspeitas levantadas pelo Tribunal de Contas da União (TCU). Fiscalizar a pesca ilegal não está entre as atribuições do ministério. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.