Ideli diz que aliança PP-PROS 'soma esforços' ao governo

Ministra-chefe da Secretaria de Relações Institucionais participu da cerimônia de formação do recém-criado bloco, que se tornou a 3º maior bancada do Congresso

Ricardo Della Coletta , Agência Estado

06 de novembro de 2013 | 18h49

A ministra das Relações Institucionais, Ideli Salvatti, afirmou nesta quarta-feira, 06, que o bloco PP-PROS "soma esforços" aos objetivos do governo Dilma Rousseff. "A aliança será para somar esforços no sentido de termos um País cada vez mais voltado para o interesse da maioria, principalmente, dos que mais precisam", disse a ministra.

Ela participou, ao lado do governador do Ceará, Cid Gomes (PROS), do anúncio da formação do novo bloco, que terá 57 deputados e será a terceira maior força política na Casa, atrás apenas do PT e do PMDB. A liderança da aliança será exercida na Câmara pelo atual líder do PP, Eduardo da Fonte (PE), enquanto que a primeira vice-liderança ficará com Givaldo Carimbão (PROS-AL).

Além de um discurso positivo ao bloco, Ideli fez um afago às lideranças das duas siglas, que compõem a base de apoio da presidente Dilma. "Se temos um País que cresce e distribui renda, isso teve a mão de muitos que estão aqui, tanto no PP quanto no PROS", afirmou.

A ministra destacou a presença do PP à frente do Ministério das Cidades, comandado por Aguinaldo Ribeiro. "O Ministério das Cidades é uma área fundamental em termos de desenvolvimento e de atendimento a reivindicações", disse.

Do lado do PROS, partido recém-nascido, Ideli elogiou a atuação do governador do Ceará, Cid Gomes, que se filiou à sigla após deixar o PSB do governador de Pernambuco e provável candidato à Presidência no ano que vem, Eduardo Campos.

"Temos uma experiência de parceria que o governador Cid representa. Vários programas e ações do Ceará serviram de modelo (ao governo federal)", disse Ideli.

 

Tudo o que sabemos sobre:
câmaraPPPROS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.