Ideli assume articulação e fala em harmonia com base

Promovida para comandar a articulação política do governo Dilma Rousseff, Ideli Salvatti disse na sexta-feira, ao ser nomeada ministra da Secretaria de Relações Institucionais (SRI), que sua responsabilidade é construir a harmonia, numa política de "ouvir e negociar muito".

HUGO BACHEGA, REUTERS

10 de junho de 2011 | 19h17

A mudança na liderança da negociação política do governo foi definida pela presidente com uma troca de cadeiras: o atual ministro da SRI, Luiz Sérgio, dá lugar a Ideli e dirigirá o Ministério da Pesca e Aquicultura deixado por ela.

Ideli assume a responsabilidade de melhorar o diálogo do Executivo com o Legislativo, deteriorado nas últimas semanas, com críticas crescentes de parlamentares aliados e do PT à atuação de Luiz Sérgio como articulador e que culminou com a queda do ex-ministro Antonio Palocci na terça-feira.

"O importante é que o governo como um todo esteja harmonizado, atuando e se relacionando de forma tranquila com a sua base e com, também, todos os outros entes da federação", disse ela a jornalistas. "A relação com todos os partidos será uma relação muito respeitosa, sempre."

As mudanças encerram uma semana turbulenta, em que o ministro mais forte do governo, Antonio Palocci, pediu demissão da Casa Civil em meio a denúncias decorrentes de seu aumento patrimonial. Para seu lugar, Dilma escalou a senadora Gleisi Hoffman (PT-PR).

Antes, a articulação política do governo era exercida majoritariamente por Palocci. Com a nomeação de Gleisi, Dilma pretende que a Casa Civil se torne gestora dos programas federais, deixando a relação política a cargo da SRI.

Ideli, no entanto, afirmou que Gleisi também participará ativamente das articulações políticas do governo.

"Imaginar que a ministra Gleisi Hoffman vai executar apenas tarefas de gestão é não ter conhecimento de toda a trajetória política da ministra Gleisi. Eu não tenho a menor dúvida que iremos parceirizar muitas atividades de encaminhamento", disse Ideli.

Candidata derrotada ao governo de Santa Catarina em 2010, Ideli foi eleita senadora em 2003, quando exerceu a liderança do governo Lula no Senado.

O troca-troca foi decidido por Dilma em reunião na tarde de sexta-feira com Luiz Sérgio, da qual Ideli participou mais tarde.

"REFORMUÇÃO NATURAL"

A permanência de Luiz Sérgio na pasta de Relações Institucionais ficou praticamente insustentável com a saída de Palocci, ocorrida na terça-feira. Nos últimos dias, diversos nomes circularam entre petistas e integrantes da base como candidatos a substituí-lo. Ele, no entanto, negou crise com os aliados.

"Não tem desarticulação na base. Praticamente todas as medidas provisórias que eram essenciais ao governo foram aprovadas", disse ele. "Esta versão de que os acordos fechados não eram honrados é uma versão que não corresponde à verdade dos fatos", disse.

"A presidente Dilma, diante do que nós estamos assistindo buscou uma reformulação que é natural dentro do ministério", acrescentou.

A posse dos ministros será na segunda-feira.

(Reportagem adicional de Jeferson Ribeiro)

Tudo o que sabemos sobre:
POLITICAMUDANCAS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.