Ideli admite que ex-ministro pode participar da escolha do sucessor

Para Ministra de Relações Institucionais, PR tem direito a dar indicações de nomes para substituir Alfredo Nascimento, mas palavra final será da presidente

Leonêncio Nossa, de O Estado de S. Paulo

07 de julho de 2011 | 12h44

BRASÍLIA - A ministra de Relações Institucionais, Ideli Salvatti, disse nesta quinta-feira, 7, em entrevista no Palácio do Planalto, que a equipe de governo aguarda a posição da presidente Dilma Rousseff sobre o nome que chefiará em definitivo a pasta dos Transportes. "É ela quem vai avaliar as possibilidades que existem. Agora estamos única e exclusivamente no aguardo da posição da presidenta", afirmou. Ideli ressaltou que o ex-ministro Alfredo Nascimento, que pediu demissão após denúncias de corrupção, poderá fazer sugestões, dar indicações e opinião, inclusive como presidente do PR. "Ela (Dilma) poderá ouvir as indicações, apreciá-las, fazer análise, avaliação. Mas a decisão, ela deverá tomar a partir das análises que ela tem, inclusive da importância", completou a ministra. O Ministério dos Transportes, segundo Ideli, é extremamente importante, que realiza obras de infraestrutura essenciais para o desenvolvimento do País. "Eu espero que a decisão seja - aí já é uma opinião minha - rápida", disse.

Ideli disse que o governo está dando apoio ao ministro interino Paulo Sérgio Passos que, segundo ela, é "uma pessoa técnica e extremamente eficiente". Ainda de acordo com a ministra, a tendência é de que o PR permaneça no comando do ministério. "Nós estamos bastante solidários, inclusive ao trabalho que o ministro (Alfredo) Nascimento prestou. Agora é aguardar se Paulo Sérgio vai ser efetivado, se vai ser trocado, se vão ser colocadas as indicações que o PR fará. Mas isso é a presidenta quem vai decidir".

Sobre a indicação do nome do senador Blairo Maggi (PR-MT) para o cargo, ela afirmou: "O PR tem todo o direito de fazer indicações. Agora, sempre levando em consideração que quem nomeia e quem decide é a presidenta". Questionada se o governo saía arranhado com a crise do Ministério dos Transportes, Ideli respondeu que "modificações sempre causam problemas". "No caso do ministério dos Transportes, até que não porque o Paulo Sérgio é uma pessoa que está e toca. Fez isso em outros períodos, como na época em que o ministro Nascimento saiu para fazer campanha (em 2010)".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.