Ideia de controle não tem base legal, avalia advogado

A declaração da presidente Dilma Rousseff de que gostaria de ter um controle na saída de jogadores para o exterior deve ser encarada mais como um sonho do que como objetivo do governo. Esta é a avaliação do advogado Rubens Approbato Machado, ex-presidente da OAB e do Superior Tribunal de Justiça Desportiva. "Cada um trabalha onde quiser. Tentar impedir isso vai na linha contrária do que prega a nossa Constituição, que é a liberdade."

O Estado de S.Paulo

11 de julho de 2014 | 02h02

Para Approbato, as palavras ditas por Dilma, em entrevista para a CNN, tiveram cunho político. "Como não faz o menor sentido falar em controlar a exportação de jogadores, isso me soa muito mais como demagogia de uma pré-eleição do que, de fato, um objetivo da presidente."

Sobre as especulações de que o governo poderia intervir na CBF, o jurista disse não ser possível por se tratar de uma empresa privada. / DANIEL BATISTA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.