Jerôme/ Mathilde Garro Lapouge
Jerôme/ Mathilde Garro Lapouge

Ideais humanistas de Lapouge permanecerão, diz Bruno Covas

Jornalista, escritor francês e colunista do ‘Estadão’ morreu nesta quinta-feira aos 96 anos

Redação, O Estado de S.Paulo

31 de julho de 2020 | 17h02

O prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), lamentou a morte do jornalista, escritor e colunista do Estadão Gilles Lapouge, que faleceu nesta quinta-feira, 30, em Paris, aos 96 anos

“O Brasil e a França perderam hoje um de seus importantes intelectuais com a passagem de Gilles Lapouge, escritor e jornalista francês que se apaixonou pelo nosso país e contribuiu para a consolidação da nossa democracia e de uma sociedade mais justa por meio dos seus artigos e coberturas jornalísticas produzidos ao longo dos últimos 69 anos para o jornal o Estado de S. Paulo”, afirmou o prefeito, em nota.

“Gilles Lapouge fará muita falta, mas os seus ideais humanistas permanecerão e sua obra continuará influenciando positivamente as futuras gerações. À família, parentes e amigos os meus sinceros sentimentos.”

Gilles chegou ao Brasil em 1951, a convite do jornalista Júlio Mesquita Filho, diretor de O Estado de S.Paulo. Ele escreveu seu primeiro texto no ‘Estadão’ em 1951 e o último, em junho.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.