Ida de Dilma no fim do mês não esfria apuração, diz Agripino

'País queria que ela fosse logo ao Senado prestar esclarecimentos mas ela tem prazo de trinta dias', diz o líder do DEM

CIDA FONTES, Agencia Estado

14 de abril de 2008 | 17h52

O líder do DEM no Senado, José Agripino (RN), disse nesta segunda-feira, 14,  que a decisão da ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, de comparecer à Comissão de Infra-estrutura do Senado somente no dia 29 de abril, quando retornará de viagem ao Japão e Coréia do Sul, não vai esfriar as investigações sobre uso irregular dos cartões corporativos e sobre a elaboração do suposto dossiê com os gastos do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso e família. Veja também:PF pode recolher outros computadores da Casa CivilVazamento de dossiê contra FHC abre guerra dentro da Casa CivilDossiê FHC: o que dizem governo e oposiçãoPF pede a governo dados sobre segurança da Casa CivilPF abre inquérito para apurar vazamento de dados de FHCDossiê com dados do ex-presidente FHC  Entenda a crise dos cartões corporativos "Fatos novos podem surgir e até aquecem o interesse pelas explicações da ministra. O Brasil queria que ela fosse logo ao Senado prestar esclarecimentos mas, infelizmente, ela tem um prazo de trinta dias para atender à convocação dos senadores", disse. Agripino participa de reunião dos presidentes e líderes do PSDB e DEM em São Paulo, com a presença do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso. Entre os assuntos em pauta está a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) dos Cartões.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.