Ida às ruas gera crise no PT e tucanos atacam rival

Rejeitados pelas ruas, os partidos políticos divulgaram manifestações em reconhecimento à legitimidade dos movimentos sociais, mas dirigentes de diversas siglas revelam o temor com as consequências de uma "despolitização". A decisão da direção do PT em estimular a adesão dos militantes aos protestos acirrou uma crise interna sobre as interpretações do movimento e os rumos que o governo deve tomar. A oposição, liderada pelo PSDB, aproveitou a onda para criticar o "oportunismo petista" e o governo de Dilma Rousseff.

DIEGO ZANCHETTA, DAIENE CARDOSO, VERA ROSA, JOÃO DOMINGOS, RICARDO BRITO, RICARDO CHAPOLA, LILIAN VENTURINI E VALMAR HUPSEL FILHO, Agência Estado

22 Junho 2013 | 09h21

O presidente nacional do PT, Rui Falcão, evitou nesta sexta-feira, 21, a imprensa. Discretamente, participou de uma reunião com 75 partidos e entidades representativas de movimentos sociais e sindicais, no Sindicato dos Químicos, em São Paulo, convocada pelo MST. O Estado acompanhou o encontro.

Falcão defendeu a organização dos partidos de esquerda e as entidades contra a "infiltração de organizações de direita" nas ondas de protestos e insistiu na regulamentação da mídia. "É necessário muita disciplina e organização para enfrentar a direita, e não só espontaneidade", disse. O presidente do PT sugeriu que seja montada uma rede de esquerda para planejar e coordenar as ações promovidas pelas massas revoltosas que se espalham pelo País.

"Temos toda uma geração sendo formada pela Globo e pela Veja, por isso que temos de pautar a regulamentação da mídia e a reforma política", disse. Hostilizar partido político não é um bom sinal. O fascismo começa desse jeito", afirmou, em Brasília, o ministro das Comunicações, Paulo Bernardo. Ele defendeu a punição de manifestantes que depredaram o patrimônio público, saquearam lojas e cometeram atos de violência. "Essas pessoas têm de ser responsabilizadas", disse.

O presidente do PT paulista, Edinho Silva, admitiu que seu partido errou ao convocar os militantes para a passeata na Avenida Paulista, na quinta-feira, 20 - uma convocação feita por Rui Falcão pelo Twitter. No Palácio do Planalto, auxiliares da presidente Dilma Rousseff classificaram a iniciativa do PT como "um tiro no pé". "Foi um erro. Estava claro que, se houvesse um ato de violência contra a militância do PT, isso se viraria contra o partido e contra o governo Dilma", afirmou Edinho.

"Há de fato um clima de rejeição aos partidos, porque muitas vezes as notícias da mídia colam nas agremiações partidárias imputações como a de desvio de recursos públicos. Mas não podemos aceitar essa situação. Nós, do PT, temos a obrigação de rejeitar essa ideia", avaliou o líder do PT na Câmara, José Guimarães (CE).

Tucanos

Em nota, o presidente nacional do PSDB, Aécio Neves, o PT de tentar se apropriar dos protestos desta quinta-feira para colocar militantes nas ruas com "claro intuito de diluir cobranças feitas ao governo federal". O tucano, provável candidato à Presidência em 2014, cobrou providências da presidente Dilma Rousseff.

"É inevitável constatar o oportunismo do alto comando do PT, que tenta se apropriar de um movimento independente, ao determinar que militantes do partido se misturem aos manifestantes com o claro intuito de diluir as cobranças feitas ao governo federal", diz a nota. O tucano cobrou, ainda, uma manifestação da presidente.

Em outro texto, uma análise do, o Instituto Teotônio Vilela, administrado pelo PSDB, os tucanos vinculam os protestos a críticas à presidente Dilma. "Onde está a presidente", cobraram os tucanos. "Com o povo ocupando as ruas, o poder mostrou-se ausente. Foi como se o país tivesse ficado sem comando." Para os tucanos, "a presidente mostra-se atônita, inepta, perdida". Dura, a análise diz que Dilma sempre recorre a "Lula e a seu marqueteiro" nas horas de dificuldades.

Também provável candidata, a ex-ministra e ex-senadora Marina Silva expressou opiniões em nota de seu partido em formação, o Rede Sustentabilidade. "As manifestações iniciaram um novo ciclo de mobilização. O povo chegou ao limite da tolerância e não aceita mais abusos do Estado e das empresas", diz a mensagem da Rede. A nota afirma que "ativistas da Rede Sustentabilidade estarão sempre presentes nessas horas - como estiveram nos protestos de diversas cidades".

''Prática banalizada?

Após reunião da Executiva Nacional, o PV enviou aos jornalistas uma nota onde destacou a insatisfação da população "em função da prática banalizada da cooptação dos partidos políticos". O PSOL divulgou uma carta aberta aos Manifestantes: "É tempo de ?escutatória? : ouvir o clamor das praças e a linda luta por direitos". "Um movimento de despolitização não ajuda a democracia, é perigoso. Evidendentemente, tem aspectos muito positivos. É um despertar da consciência da sociedade", afirmou o deputado Roberto Freire, presidente do MD (Mobilização Democrática). As informações são do jornal O Estado de S.Paulo.

Mais conteúdo sobre:
Protestos Brasil PT

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.