Ibope: Vavá e crise aérea impedem melhor avaliação de Lula

Apesar do crescimento nos índices de aprovação da atuação do governo em diversos setores sociais e econômicos, o impacto de notícias negativas, como as denúncias contra o irmão do presidente e a crise aérea, segurou em patamares estáveis a avaliação positiva do governo Luiz Inácio Lula da Silva, mostrou nesta sexta-feira, 6, pesquisa Ibope encomendada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI). A avaliação é do diretor de Relações Institucionais da CNI, Marco Antonio Guarita.A avaliação ótima ou boa do governo passou para 50%, ante 49% em abril. E a avaliação ruim ou péssima se manteve em 16% e a regular, em 33 %. De acordo com o levantamento, houve melhora na avaliação ótima ou boa de quase todas as áreas de governo, sobretudo em relação à economia brasileira e a atuação do Executivo na área social. Os programas sociais na área de saúde e educação receberam a melhor avaliação, subindo de 52% em abril para 55% em junho. Os entrevistados que aprovam o governo no combate à inflação subiu de 45% para 50%.A sondagem mostra que 39% dos entrevistados consideram o noticiário mais desfavorável, ante os 20% registrados em abril. Caiu de 23% para 19% a percepção de que o noticiário é mais favorável em relação ao governo. Os que consideraram as notícias neutras passaram de 40% para 29%. De acordo com a pesquisa, a principal notícia sobre o governo foi a denúncia envolvendo o irmão do presidente Lula, Genival Inácio da Silva, o Vavá, com 31% das indicações. A crise dos aeroportos foi apontada por 14% dos entrevistados, ficando em segundo lugar. As viagens do presidente Lula e as ações e operações da Polícia Federal aparecem cada uma com 3% das indicações. O bordão "relaxa e goza", proferido pela ministra do Turismo, Marta Suplicy, apareceu na seqüência, com 2% das indicações. O mesmo índice foi registrado pelos problemas da segurança, denúncias de irregularidades envolvendo o ministro Alfredo Nascimento e a substituição do ministro das Minas e Energia Silas Rondeau. As notícias sobre o principal ponto do programa do segundo mandato do governo Lula, o PAC, foram apontadas por apenas 1% dos entrevistados, mesmo índice das notícias envolvendo a não renovação da concessão da RCTV da Venezuela."Podemos ver que a despeito das notícias desfavoráveis isso não está sendo suficiente para derrubar a avaliação positiva do governo", disse Guarita. Para ele, se a percepção em relação ao noticiário sobre o governo fosse mais favorável as avaliações gerais do governo provavelmente seriam melhores. Guarita destacou, em especial, a melhora na aprovação à política de combate à inflação, cuja avaliação positiva voltou a superar a negativa como ocorria em setembro de 2006, época em que os índices de popularidade de Lula estavam em nível bem elevados."De um lado há uma clara percepção negativa da população em relação ao noticiário e do outro há uma melhora na avaliação de desempenho do governo em relação a política setoriais", disse a jornalistas Marco Antonio Guarita, diretor da CNI. "Podemos aferir que a influência do noticiário é mais sensível e mais clara na queda de avaliação entre os que têm maior renda e maior escolaridade", disse a jornalistas Amauri Teixeira, responsável pela pesquisa. O Ibope entrevistou 2.002 pessoas, em 140 municípios do País, entre 28 de junho e 1° de julho. A margem de erro é de dois pontos.(Com Reuters)Texto alterado às 12h51.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.