IBGE: empregados sem instrução representam 25% do mercado

De acordo com a análise dos resultados da Amostra do Censo Demográfico 2000, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) concluiu que no Brasil, em 2000, estavam ocupadas 47,9% das pessoas de 10 anos ou mais de idade, sendo 61,1% dos homens e 35,4% das mulheres neste grupo etário. Neste cenário, dois terços das pessoas ocupadas eram empregados. Do lado dos empregadores, cerca de 69% ocupavam no máximo cinco empregados, enquanto 17% tinham onze ou mais empregados. Entre a população ocupada, 23,5% eram sem instrução ou tinham menos de 4 anos de estudo (ou seja, nunca freqüentaram escola ou sequer concluíram a quarta série do ensino fundamental ou equivalente).Tinham tal nível de instrução 18,1% das mulheres ocupadas e 26,7% dos homens ocupados. Este indicador ficou abaixo de 16% nas Regiões Sudeste e Sul e atingiu quase 41% na Nordeste.Mulheres, crianças e aposentadosAs mulheres continuam como maioria entre os não remunerados em ajuda a membro do domicílio (52,2%) e são pouco mais de 25% dos ocupados entre os empregadores e os trabalhadores por conta própria. Entre as crianças de 10 a 14 anos de idade ocupadas, 48,8% trabalhavam como não remunerados em ajuda a membro do domicílio ou trabalhadores na produção para o próprio consumo.Os aposentados representavam 5,0% da população ocupada e, dentre os aposentados, 22,3% estavam ocupados. Tanto para a zona urbana quanto para a rural, a Região Sul destaca-se com a maior concentração de aposentados ocupadosInstrução e remuneraçãoEntre os ocupados com mais de 30 salários mínimos de rendimento de trabalho, cerca de 83% tinham pelo menos o ensino médio ou equivalente concluído (59,8% tinham 15 anos ou mais de estudo e 23,1% de 11 a 14 anos de estudo). Três quartos do grupo de pessoas que ganhavam até 1 salário mínimo não tinham concluído o ensino fundamental ou equivalente: 39,9% eram sem instrução ou com menos de 4 anos de estudo e 35,1% tinham de 4 a 7 anos de estudo.O rendimento mediano mensal de trabalho das pessoas ocupadas, com remuneração, residentes em área rural era 47,6% do das moradoras em área urbana. A Região Sudeste apresentou o maior rendimento mediano mensal de trabalho da população ocupada, com remuneração, e o valor mais alto deste indicador na população urbana. Na população rural, a Sudeste ficou com a terceira posição, abaixo dos resultados das Regiões Centro-Oeste e Sul.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.