Adriano Machado / Reuters
Adriano Machado / Reuters

Ibama recebe fração mínima das multas aplicadas anualmente

O presidente eleito, Jair Bolsonaro, criticou no fim de semana o volume de infrações do órgão; segundo ele, ‘essa festa vai acabar’

André Borges, O Estado de S.Paulo

05 de dezembro de 2018 | 05h00

BRASÍLIA - Responsável por autuações de crimes ambientais no País, o Ibama recebe, todos os anos, menos de 5% das multas. Os valores não pagos são contestados na Justiça. No fim de semana passado, o presidente eleito, Jair Bolsonaro, criticou os valores cobrados pelo órgão, dizendo que “essa festa vai acabar”.

Neste ano, até esta terça-feira, 4, o Ibama havia emitido um total de 13.244 autuações por crimes ambientais em todo o País, multas que somam R$ 3,36 bilhões. O volume financeiro efetivamente recolhido pelo órgão, no entanto, não chegava a R$ 200 milhões. Em 2017, quando 15.341 autuações foram aplicadas, o valor total financeiro chegou a R$ 3,07 bilhões, mas apenas R$ 140,6 milhões foram pagos.

Atualmente, o órgão tem cerca de R$ 40 bilhões que não consegue receber. Por ano, o aumento do passivo é de R$ 3 bilhões, em média.

Numa tentativa de fazer com que esses valores se transformem em proteção ambiental, o Ibama publicou no ano passado um decreto que permite a conversão de multas em ações de recuperação do meio ambiente, com descontos dados ao infrator. Pelas regras do programa, o incentivo é um desconto de 60% em relação ao valor total da punição. 

No fim de semana, Bolsonaro disse que poderá derrubar o decreto assinado pelo presidente Michel Temer em 2017, sob a justificativa de que os recursos estariam patrocinando organizações não governamentais que atuam na área de meio ambiente. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.