Ibama quer PF em investigação de multa a frigorífico

O Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) pediu à Polícia Federal a abertura de inquérito para investigar se houve dolo na retenção de uma multa de R$ 3 milhões aplicada há nove meses contra a rede de frigoríficos Bertin, uma das maiores do País, por crime ambiental.

VANNILDO MENDES, Agencia Estado

02 de junho de 2009 | 20h46

O diretor de fiscalização do Ibama, Luciano de Menezes Evaristo, afirmou que a negligência seria de uma funcionária terceirizada, que já teria assumido sua responsabilidade por escrito e que a empresa já está devidamente notificada para pagar a multa. "Só falta agora definir se houve má fé para a responsabilização criminal dos envolvidos", explicou o diretor, em entrevista, após participar de audiência pública na Comissão da Amazônia, da Câmara.

O caso ganhou repercussão porque a empresa beneficiária do engavetamento é a mesma que arrematou em leilão, em agosto do ano passado, as 3.100 cabeças de gado apreendidas na Amazônia, chamados de bois piratas, que o ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc, tentava ansiosamente vender.

Evaristo disse que não houve qualquer tentativa de compensação à empresa e que, além da PF, o Ibama acionou o Ministério Público Federal para que verifique eventual improbidade em processo administrativo. Internamente, o caso será investigado em sindicância aberta hoje.

Tudo o que sabemos sobre:
ambientemultaIbamaBertinMinc

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.