Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Humberto Mota assume presidência dos Correios

O novo presidente da Empresa de Correios e Telégrafos (ECT), Humberto Mota, foi empossado hoje no cargo pelo ministro das Comunicações, Juarez Quadros. Ele foi indicado pelo PMDB, partido que faz parte da coligação do candidato à Presidência da República José Serra, que exigia participação maior no segundo escalão do governo. Mota substituiu Hassan Gebrin, indicado na gestão do então ministro Pimenta da Veiga. Na cerimônia, Quadros defendeu investimentos para modernizar a empresa.O ministro lembrou que o movimento dos Correios dobrou desde 1994, passando de 4,6 milhões para 9,8 milhões em 2002, segundo as últimas estimativas. ?Foi um crescimento de 110%?, observou Quadros, dizendo que metade do movimento é de cartas simples. O faturamento deste ano deve atingir R$ 5,5 bilhões, contra R$ 3,9 bilhões em 2000. Os investimentos somarão R$ 700 milhões, comparados aos R$ 43 milhões de 1995.Segundo Quadros, o investimento na empresa nos dois mandatos do presidente Fernando Henrique Cardoso mantiveram a média anual de R$ 300 milhões. ?Tudo com recursos próprios, sem nenhum recurso da União para investimento ou manutenção?, afirmou o ministro. Mota não quis dar entrevista após a cerimônia de posse, pois disse estar ainda desinformado sobre a realidade da empresa, mas prometeu falar em uma semana.Apesar do pouco tempo que ficará no cargo, pouco mais de quatro meses, Mota disse acreditar na possibilidade de dar alguma contribuição à empresa. Segundo ele, ?é mais fácil recusar um convite no início do governo do que no final?. Mota é advogado e administrador de empresas e, até então, era diretor-presidente da Consultrade e conselheiro da Brascan, da Accor e das Casas Sendas, entre outras. Foi presidente da Associação Comercial do Rio de Janeiro entre 1993 e 1997.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.