Humberto Costa e Jereissati destacam perda de amigo

Mesmo em partidos diferentes, políticos destacam a amizade e o respeito pelo ex-candidato à presidência Eduardo Campos 

Igor Gadelha e Bernardo Caram, Estadão Conteúdo

13 de agosto de 2014 | 15h13

O ex-senador Tasso Jereissati (PSDB) lamentou,nesta quarta-feira, 13, em nota, a morte do candidato a presidente da República pelo PSB, Eduardo Campos. "Lamento profundamente a perda de meu amigo pessoal e grande brasileiro", afirmou o tucano em nota postada no Facebook de sua campanha a senador.

Jereissati destacou que compartilhava com Campos "dos mesmos sonhos de mudar o Brasil" e que os dois estiveram juntos em muitas lutas. "Sempre terei comigo a imagem de um amigo leal, um jovem líder que muito teria a dar ao país e um político amado por sua gente", escreveu na nota.

HUMBERTO COSTA

O líder do PT no Senado, Humberto Costa (PE), destacou que, mesmo estando em correntes políticas distintas no último ano, os dois sempre foram muito próximos. "Apesar das divergências circunstanciais, tínhamos uma profunda admiração um pelo outro", disse.

Costa foi aliado de Campos na Assembleia Legislativa de Pernambuco, atuou com o colega no Ministério da Ciência e Tecnologia quando o socialista comandou a pasta no governo Lula e foi seu secretário no Governo de Pernambuco.

"Nós pernambucanos sabemos o quanto ele representou em termos de qualificação da gestão. Para nós, é uma perda irreparável", lamentou. Costa informou também que outros dois passageiros que morreram no avião eram seus amigos.

O pernambucano evitou fazer previsões sobre desdobramentos eleitorais do falecimento. "Diante da surpresa, é muito difícil fazer essa avaliação. Vamos precisar de alguns dias para a poeira assentar e aí analisarmos o que pode mudar em relação à eleição", afirmou.

O líder do PT no Senado, Humberto Costa (PE), destacou que, mesmo estando em correntes políticas distintas no último ano, os dois sempre foram muito próximos. "Apesar das divergências circunstanciais, tínhamos uma profunda admiração um pelo outro", disse.

Costa foi aliado de Campos na Assembleia Legislativa de Pernambuco, atuou com o colega no Ministério da Ciência e Tecnologia quando o socialista comandou a pasta no governo Lula e foi seu secretário no Governo de Pernambuco.

"Nós pernambucanos sabemos o quanto ele representou em termos de qualificação da gestão. Para nós, é uma perda irreparável", lamentou. Costa informou também que outros dois passageiros que morreram no avião eram seus amigos.

O pernambucano evitou fazer previsões sobre desdobramentos eleitorais do falecimento. "Diante da surpresa, é muito difícil fazer essa avaliação. Vamos precisar de alguns dias para a poeira assentar e aí analisarmos o que pode mudar em relação à eleição", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.