Dida Sampaio|Estadão
Dida Sampaio|Estadão

Hugo Motta oficializa candidatura à liderança do PMDB nesta tarde

Apoiado nos bastidores por Eduardo Cunha, deputado admite alinhamento com Leonardo Quintão em um possível segundo turno contra Picciani; ele diz que, se eleito, será o 'porta-voz da bancada'

Daniel Carvalho, O Estado de S.Paulo

20 de janeiro de 2016 | 16h24

BRASÍLIA - O deputado Hugo Motta (PB) oficializará no final da tarde desta quarta-feira, 20, sua candidatura à liderança da bancada do PMDB na Câmara. Apoiada nos bastidores pelo presidente da Casa, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), a candidatura de Motta visa enfraquecer as chances de recondução do atual líder, Leonardo Picciani (RJ), e garantir o que nem o fluminense nem Leonardo Quintão (MG), o outro candidato, conseguem: unificar a bancada de 67 parlamentares. “Não sou candidato a líder do governo nem a líder da oposição”, disse Motta ao Estado. O deputado disse que, eleito, será o “porta-voz da bancada”. 

A candidatura de Hugo Motta conta com a bênção do vice-presidente da República e presidente nacional do PMDB, Michel Temer. Os dois conversaram na noite de ontem. Motta também conversou com deputados apoiadores de Picciani e de Quintão.

Nas conversas com Leonardo Quintão eles discutiram a possibilidade de alinhamento entre eles contra Picciani em um eventual segundo turno. “Há uma possibilidade de alinhamento sim, mas vou trabalhar para ganhar no primeiro turno”, afirmou.

A principal bandeira da campanha de Motta será a unidade partidária, tema crucial para a recondução de Temer à presidência do PMDB.O deputado prometeu pedir apoio a Temer, que disse ao paraibano não poder interferir diretamente na campanha pela liderança para não se indispor com nenhuma ala do partido.

Por orientação de Cunha, o impeachment da presidente Dilma Rousseff, pauta que divide a bancada, é assunto vetado na campanha do candidato que será oficializado às 17h30, em entrevista coletiva.

Motta já deu algumas declarações contra o impeachment, mas disse que a “posição pessoal vai ficar afastada da posição de líder”. “Este tema não faz parte da minha campanha”, disse Motta. “Não sou candidato a capitão do impeachment nem a capitão contra o impeachment.”

Próximo a Eduardo Cunha, Motta está em seu segundo mandato como deputado federal e, no ano passado, presidiu a CPI da Petrobrás. Ele negou que a liderança do PMDB seja um degrau para cacifá-lo a disputar as eleições municipais deste ano. “Não sou candidato a prefeito. Sou candidato a líder do PMDB. É a única eleição que vou disputar este ano”, afirmou.

Propostas. Motta pretende lançar uma cartilha com suas proposta para líder do PMDB. Além de prometer buscar a unidade do partido, ele afirma que se comprometerá a dar visibilidade às bancadas estaduais, a criar um sistema de acompanhamento e cobrança de liberação de emendas parlamentares por parte do governo federal, assim como dar mais visibilidade aos mandatos dos peemedebistas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.