Hotel Glória completa 80 anos de sofisticação

O cenário é cinematográfico: à direita, o Pão de Açúcar, margeado pela Baía de Guanabara e o Parque do Flamengo. Como parte desse panorama, está o Hotel Glória, que transcendeu o século e comemora hoje 80 anos. Idealizado pelo arquiteto francês Jean Gire, em estilo art nouveau, e inaugurado em 1922 pelo presidente Epitácio Pessoa, o hotel é um dos mais importantes cartões-postais do Rio e um marco arquitetônico da hotelaria brasileira. Há oito décadas, quando as portas do primeiro prédio de concreto armado construído no País foram abertas, a festa durou três dias. O Glória, um dos mais charmosos hotéis da cidade, foi erguido para recepcionar os convidados ilustres da Exposição Internacional, que marcou o centenário da Independência do Brasil. Desde então não parou de receber celebridades. Com seu estilo colonial, ainda preserva o mobiliário de época, tapetes persas e obras de artes de todo o mundo. Por seus suntuosos corredores já passaram políticos, como o próprio Epitácio Pessoa, e os ex-presidentes Getúlio Vargas, Juscelino Kubitschek, José Sarney e Itamar Franco, além do presidente Fernando Henrique Cardoso; artistas, como Ava Gardner, que chegou ao hotel, de madrugada, completamente bêbada; e cientistas. Em 1925, por exemplo, o quarto de número 400 hospedou o físico alemão Albert Einstein, que veio ao Brasil para uma série de palestras sobre sua teoria da relatividade. A Baía de Guanabara, porém, inspirou o físico a criar sua teoria da luz. Os rascunhos de Einstein foram registrados no papel timbrado do Glória, que pode ser visto ao lado da entrada do quarto, em homenagem feita a ele. Em 1949, o Glória passou por ampla reforma, com a eliminação de todas as copas dos andares. Os apartamentos foram modernizados. Foram construídas piscina e a boate Beguin, que ficou famosa na década de 50 em função dos shows que apresentava. Na mesma época, o hotel passou por uma expansão de mais 220 apartamentos e ganhou um centro de convenções. No final dos anos 90, o Glória passou por outra reforma de revitalização. As obras consumiram cerca de US$ 20 milhões. Atualmente, tem 600 quartos espalhados pelos 9 mil metros quadrados de área construída e uma taxa de ocupação média de 70%.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.