Hospital do Rio precisa de sangue RH ? para operações complexas

Apesar do aumento no número de doadores verificado nesta segunda-feira, o banco de sangue do Hospital Universitário Clementino Fraga Filho, da UFRJ, continua com estoque baixo de bolsas Rh negativo e poderá suspender cirurgias marcadas em pacientes que tiverem sangue desse fator, caso o volume de doações não se mantenha. Na semana passada, três operações tiveram de ser canceladas e quatro pacientes que precisavam de transfusão deixaram de ser atendidos. Nesta segunda-feira, 83 pessoas doaram sangue na unidade, graças ao apelo feito pelos médicos na última sexta-feira ? um dia depois de o banco de sangue ter chegado ao mais baixo número de doações dos últimos 25 anos. Naquele dia, houve apenas 13 doadores. Das 83 coletas, nem todos puderam ser aproveitadas, conforme explica a chefe do setor de Hemoterapia da unidade, Carmen Nogueira. Isso significa que o problema persiste, já que há 15 operações agendadas para hoje. ?Não adianta termos um boom de doações. Precisamos manter a regularidade, para não entrarmos em crise novamente?, dia Carmen. Nesta segunda-feira, foram realizadas doze cirurgias de alta complexidade ? que requerem reserva de sangue. No último sábado, o nível de sangue foi suficiente para realizar um transplante de fígado. O Clementino Fraga Filho é o hospital que mais realiza cirurgias de alta complexidade pelo Sistema Único de Saúde (SUS) no Rio. O mínimo diário de doações é 60, o que não vem sendo alcançado desde as festas de fim de ano, com exceção desta segunda-feira. De dezembro para cá, o número de doadores tem sido de apenas 30. O sangue coletado tem de abastecer os 500 leitos do Clementino Fraga Filho e os 80 do Instituto de Pediatria da UFRJ. Quem quiser ajudar deve comparecer ao hospital, no campus da UFRJ, das 7 horas às 13h30, de segunda a sexta-feira. O doador, que precisa apresentar documento de identidade, tem de estar em bom estado de saúde, ter entre 18 e 65 anos e pesar mais de 50 quilos. Pelo telefone 21-2562-2305 podem ser obtidas mais informações.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.