Horário político deve movimentar pesquisas, diz analista

Para especialista, eleição começa quando eleitor tem contato com candidatos pela TV

AE, Agência Estado

24 de agosto de 2012 | 21h02

Os primeiros programas do horário eleitoral gratuito no rádio e na TV devem provocar movimentação nos números das pesquisas de intenção de voto. Essa é a aposta do especialista em marketing político e pesquisa eleitoral Sidney Kuntz. Ele informa que as pesquisas divulgadas a partir de dez dias do início dessa propaganda (que começou a ser veiculada no dia 21 deste mês) já deverão registrar essa movimentação, pois a eleição começa mesmo pra valer quando o eleitor tem contato com os candidatos, nos programas do horário eleitoral gratuito.

A grande indagação, no entender de Kuntz, é com relação ao candidato do PRB, Celso Russomanno, que vem liderando as mais recentes pesquisas de intenção de voto na Capital. "Se ele permanecer no mesmo patamar atual de intenção de votos (na faixa dos 30%) nas pesquisas que serão divulgadas a partir da próxima semana, é sinal de que uma parcela significativa do eleitorado já formou uma opinião concreta com relação à sua candidatura. E com isso, ele terá muita chance de estar disputando o segundo turno desta eleição", destaca Kuntz.

Porém, se depender da tática que o candidato do PRB está utilizando neste início de propaganda eleitoral gratuita na TV, "a tendência poderá ser de perda de fôlego (de sua candidatura)", avalia o especialista. No seu entender, apesar de ter bem menos tempo nessa propaganda (cerca de 1/3 do tempo dos candidatos do PT, Fernando Haddad, e do PSDB, José Serra), Russomanno praticamente não está aparecendo. "Ele não está mostrando a cara, o chamado olho no olho com o eleitorado e isso, nos primeiros programas, é fundamental. Russomanno deveria fazer na TV o que vem fazendo nas ruas: gastando sola de sapato no corpo a corpo com o eleitorado", reitera.

Na avaliação de Kuntz, os programas dos candidatos do PSDB, José Serra, do PT, Fernando Haddad, e do PMDB, Gabriel Chalita, estão na direção correta. "(O programa de) Serra está na linha certa, pois está com foco nas propostas e nas realizações. Ele tem que ir nessa linha mesmo, até para dizer, indiretamente ao eleitorado, que está preparado para comandar a Prefeitura por quatro anos e não irá interromper o mandato no meio, pois tem propostas e projetos para isso." Com relação ao candidato do PT, o especialista diz que por não ser ainda conhecido de boa parte do eleitorado, Haddad tem mesmo que colar sua imagem no ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e na presidente Dilma Rousseff para tentar subir nas pesquisas.

Para o especialista, Haddad não tem outra alternativa no horário eleitoral gratuito no rádio e na TV "a não ser colar a imagem em seus padrinhos políticos, que são bem avaliados pela população". Já a propaganda de Gabriel Chalita, na sua opinião, também acertou em mostrar suas propostas e a experiência dele como educador. Sidney Kuntz diz que até o momento (dois dias de propaganda eleitoral de candidatos à Prefeitura) os melhores programas foram os de Serra, Haddad e Chalita. E destaca que os primeiros programas são os mais importantes porque é onde se concentram as maiores audiências.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.