Homossexuais ganham plano de saúde como dependentes

Quinze operadoras de planos de saúde foram condenadas a permitir, no prazo de 60 dias, ?o ingresso do companheiro ou companheira homossexual como dependente do associado, nas mesmas condições e com a mesma preferência do parceiro heterossexual em todo território nacional?. A sentença, contra a qual cabe apelação ao Tribunal de Justiça, foi proferida pelo juiz da 17ª Vara Cível de São Paulo, numa ação civil pública proposta pela Associação de Incentivo à Educação e Saúde de São Paulo e pela Associação Parada Orgulho Gay, Lésbicas, Bisssexuais de São Paulo. O descumprimento da decisão, datada de 29 de junho, será punida com multa diária de R$ 2 mil. A condenação recai sobre a Blue Life, Interclínicas, Unimed Paulistana, Bradesco Saúde, Amil, Amico, Golden Cross, Marítima Seguros, Centro Transmontano, Med, Operadora de Saúde, Royal Saúde, Samcil, Porto Seguro Saúde e Sul América.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.