Homicídios no Rio caem 18% em relação a 2010, diz governo

No mês de abril, homicídios dolosos tiveram queda de 6,7% em relação ao mesmo mês do ano passado.

BBC Brasil, BBC

13 de junho de 2011 | 14h27

O número de homicídios dolosos no Estado do Rio de Janeiro teve queda de 18% no trimestre que vai de fevereiro a abril em relação ao mesmo período do ano anterior, de acordo com dados do Instituto de Segurança Pública (ISP) do Estado.

Em abril, casos de homicídios dolosos apresentaram queda de 6,7% em relação ao mesmo mês do ano passado, com 403 registros neste ano contra 432 ocorridos em 2010.

De acordo com o ISP, a estatística é a menor para o mês de abril na série histórica, disponível desde 1991, e o quarto mês consecutivo com registro de queda em relação ao mesmo mês do ano anterior.

Na comparação entre os meses deste ano, porém, há um incremento em abril (403 casos) em relação a fevereiro, com 368 registros, e março, com 374. Já as estatísticas de janeiro registraram 426 homicídios.

Em comparação ao mesmo mês de 2010, os dados de abril do ISP apontaram ainda para diminuição nos casos de roubo de veículo, de 1.594 para 1.293 (16,3%) e de roubos de rua, que abrange assaltos a transeuntes, coletivos e roubos de celulares, com queda de 6.871 para 5.801 (15,6%).

Já um aumento foi registrado nas incidências de lesão corporal dolosa e culposa, ameaças, furtos, estelionato e estupro, entre outros crimes. O registro de ameaças pulou de 6.051 em abril do ano passado para 7.100 neste ano, com incremento de 916 casos, e o de furtos passou de 13.795 para 14.789, com 994 ocorrências a mais.

O número total de registros também subiu, ultrapassando os 58 mil, um incremento de mais 5.033 notificações em relação a abril de 2010.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.