Homem reclama de dor de ouvido e faz vasectomia

O lavrador Valdemar Lopes de Moraes, de 39 anos, foi à uma policlínica da cidade de Montes Claros, no norte de Minas, para tratar de uma dor de ouvido que há dias vinha lhe incomodando, mas acabou sendo submetido a uma vasectomia. A gerência do posto de saúde atribuiu o equívoco médico a uma confusão na hora da chamada. Segundo a gerente da policlínica, Vanessa Godinho, no mesmo dia havia sido marcada uma cirurgia de vasectomia em Aldemar Aparecido Rodrigues, de 29 anos.Quando a recepcionista do posto, Ionir Almeida, chamou por Aldemar, o lavrador achou que o seu nome é que havia sido pronunciado e se encaminhou para a sala do urologista. O médico Luiz Carlos Lenoir chegou a se surpreender quando percebeu que as região não havia sido depilada. Ele conta que questionou o lavrador sobre a cirurgia. Este, no entanto, não revelou seu real problema e não se opôs à operação.Apesar de estranhar o procedimento, Valdemar justificou a passividade diante da cirurgia dizendo que achava que a dor de ouvido ?tinha virado? caxumba. ?Eu pensei que já era caxumba e tinha descido, mas não perguntei, nem falei nada?, disse o lavrador. O erro só foi percebido quando ele chegou em casa e contou o caso aos parentes. Para evitar novos problemas, a policlínica decidiu que a partir de agora vai exigir documentos dos pacientes. O secretário municipal de Saúde, Eduardo Avelino Pereira mandou abrir uma sindicância para apurar o caso.A Secretaria de Saúde de Montes Claros se comprometeu a pagar a cirurgia de reversão da vasectomia, mas Valdemar, que é pai de dois filhos, já disse que prefere não se submeter a uma nova operação. A maior preocupação do lavrador é mesmo se livrar da dor de ouvido, que continua. A cirurgia de vasectomia de Aldemar, foi remarcada para amanhã.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.