Hoje sei que quem está com fome não faz revolução, afirma Lula

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva renovou, durante reunião do Global Compact Leaders Summit, na Organização das Nações Unidas, o apelo para que os empresários se engajem na luta para combater a fome no mundo. "Houve um tempo em que eu acreditava que quem estivesse com fome iria fazer a revolução. Mas hoje vejo que quem está com fome não faz a revolução. A fome leva à submissão. Quem está com fome fica moralmente combalido", afirmou. Ele disse ainda que os empresários precisam "estender a mão" para lutar contra as injustiças sociais. "Não existe arma de destruição em massa maior do que a fome. Ela não mata soldado. Mata crianças e adolescentes", disse. Diante de uma platéia de aproximadamente 200 empresários, o presidente disse que se os países tivessem força para taxar os paraísos fiscais, possivelmente seria possível combater a fome. "Nós precisamos de soluções concretas que possam sair da retórica e ir para a prática", afirmou.Para ele não pode haver desenvolvimento sustentado se não houver políticas sociais. Lula falou também das medidas de estabilidade econômica no Brasil que, segundo ele "começam a dar frutos positivos" e fez um balanço animador do programas Fome Zero e do Bolsa Família. O presidente concederá uma entrevista coletiva.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.