Hereda diz que irá ao Congresso explicar o Bolsa Família

O presidente da Caixa, Jorge Hereda, afirmou nesta segunda-feira, 27, que irá ao Congresso se for convidado para prestar esclarecimentos sobre os problemas relacionados ao pagamento do Bolsa Família. "Eu pretendo dar esclarecimento necessário a quem quer que seja, vamos fazer o esclarecimento que o Congresso quiser", afirmou em coletiva de imprensa para explicar as ações do banco nos dias 18 e 19 deste mês, quando um boato de que o programa de transferência de renda iria acabar lotou agências da Caixa Econômica Federal em Estados do Norte, Nordeste e no Rio de Janeiro.

ANNE WARTH E RICARDO DELLA COLETTA, Agência Estado

27 de maio de 2013 | 18h21

Hereda negou que tenha ocorrido falha no sistema de pagamento dos benefícios do Bolsa Família naquele final de semana. O que aconteceu, segundo ele, foi uma renovação do NIS, uma sistema de cadastro para programas sociais.

Desculpas

O presidente da Caixa pediu desculpas pelo fato de a instituição ter informado, na semana passada, que havia liberado o pagamento antecipado do benefício apenas no sábado, 18. O banco havia informado inicialmente que só havia liberado os pagamentos no sábado para minimizar os problemas causados pelo tumulto. Posteriormente, no entanto, o banco reconheceu que os saques já estavam liberados um dia antes. "Essa imprecisão só se justifica pelo momento que a gente estava vivendo e eu peço desculpas pelo engano na manifestação", disse.

Perguntado por jornalistas sobre qual a razão de o banco demorar uma semana para prestar esclarecimentos, Hereda disse que pediu, na segunda-feira, 20, levantamento completo de todas as informações relacionadas ao problema, o que levou uma semana para ser concluído.

Atualização

Desde março, o banco implementou um novo cadastro de informações para todos os programas sociais do governo. Segundo Hereda, o sistema tem mais de dez anos e precisava ser atualizado, pois havia mais de 200 milhões de cadastros.

Com a atualização, o sistema identificou que cerca de 1 milhão de famílias tinham mais de um cadastro. Isso foi corrigido e cada família foi colocada em um cadastro único - o número é chamado de NIS. Hereda explicou que os pagamentos respeitam uma ordem de acordo com o número final do NIS.

Como algumas famílias tiveram o cadastro alterado, mas não foram informadas, Hereda disse que a Caixa optou por evitar que as famílias que tentassem receber o benefício não conseguissem e decidiu permitir que o pagamento fosse feito independentemente do dia específico. "Isso não foi avisado a todas as famílias em razão do comportamento de retirada do Bolsa Família", afirmou.

Hereda disse ainda que não houve nenhuma alteração no perfil de pagamento do Bolsa Família na sexta-feira. "O comportamento foi completamente normal, dentro do esperado", afirmou. No sábado, porém, houve um pico de pagamentos a partir das 13h, com um crescimento atípico, motivado, segundo ele, por boatos de que o Bolsa Família iria acabar. O presidente da Caixa disse que o banco poderia ter travado o sistema no sábado, mas decidiu mantê-lo aberto para evitar danos patrimoniais e "tragédias".

Tudo o que sabemos sobre:
bolsa famíliacaixaHeredaSenado

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.