Herbarium nega irregularidade no Bioslim

O Herbarium Laboratório Botânico, fabricante do fitoterápico emagrecedor Bioslim, que será retirado do mercado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) a partir desta terça-feira, afirma que não há irregularidades com o produto.A Anvisa determinou, nesta segunda-feira, por meio da Resolução 1.862, publicada no Diário Oficial da União (DOU, 19/11), que o Bioslim será apreendido, porque não tem registro no Ministério da Saúde.O Herbarium afirma que o medicamento é registrado e a única irregularidade é que o número não consta da embalagem do produto. Segundo a assessoria de imprensa do laboratório, com sede em Colombo (PR), a Anvisa lavrou auto de infração em 1º de novembro, questionando a falta de registro do produto e de seu número impresso na embalagem.Segundo o Herbarium, no último dia 9, a Anvisa determinou a apreensão do produto, que só pode ser realizada a partir da publicação da Resolução no DOU. A partir da data de registro do auto de infração, o laboratório teve prazo de 15 dias para regularizar a situação da embalagem, mas não o fez. No dia 13, o Herbarium protocolou sua defesa na Anvisa, comprovando que o medicamento não faz mal à saúde."O Herbarium não tem defesa, nesse caso, porque o Bioslim não tem o registro exigido. Mesmo que o laboratório possua um protocolo garantindo um processo de registro, o medicamento só pode ir para o mercado com o número do registro", informou a assessoria de imprensa da Anvisa.De acordo com a Anvisa, o Bioslim, um composto das ervas centela, cavalinha, alcachofra e guaraná, não tem registro do Ministério da Saúde. O Bioslim é vendido em todo o País há dois anos.O registro de produtos fitoterápicos passou a ser obrigatório no Brasil há um ano e meio. Caso o registro não conste da embalagem, a ouvidoria do Ministério da Saúde pode ser avisada pelos telefones (61) 448-1235, (61) 448-1382 ou por e-mail: ouvidoria@a nvisa.gov.br.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.