Heráclito Fortes defende reajuste do salário dos parlamentares

'Não pode dar um aumento estratosférico, mas não pode viver sem reajuste', afirmou o senador

Carol Pires, do estadão.com.br

17 de novembro de 2010 | 13h28

BRASÍLIA - O primeiro-secretário do Senado, senador Heráclito Fortes (DEM-PI), defendeu, nesta quarta-feira, 17, que os parlamentares "enfrentem" a discussão sobre reajuste do próprio salário. Fortes pondera que o assunto precisa ser, primeiro, discutido pelos presidentes da Câmara, Michel Temer (PMDB-SP), e do Senado, José Sarney (PMDB-AP).

 

"Não pode dar um aumento estratosférico, mas não pode viver sem reajuste. Não pode ser um aumento que gere um dominó inflacionário", disse Heráclito Fortes, ao deixar reunião da Mesa Diretora do Senado, no início da tarde. Ele negou, no entanto, que o assunto tenta sido discutido durante a reunião.

 

Sem citar números, o diretor do Senado, Haroldo Tajra, disse que há espaço no Orçamento para aprovar o reajuste salarial dos senadores. Ele explicou ainda que o aumento do subsídio dos parlamentares não está vinculado ao salário dos servidores. Ou seja: o reajuste não causaria um efeito cascata na folha de pagamento da Casa. O Congresso paga R$ 16.512 mil aos parlamentares - são 15 salários por ano.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.