Hemocentro é condenado a pagar R$ 40 mil por exame errado

A Fundação Pró-Sangue Hemocentro de SãoPaulo terá de pagar indenização de R$ 40.000 a um torneiro que pensou ser portador do vírus HIV.O Superior Tribunal de Justiça (STJ) concluiu que a instituição que emite laudo sem advertir que o resultado deve ser confirmado em outro exame tem de se responsabilizar por eventuais falhas.Ao tomar essa posição, os ministros confirmaram decisão do Tribunal de Justiça paulista que já havia reconhecido o direito do torneiro à indenização. O operário recebeu a notícia de que estaria com o vírus HIV após doar sangue no hemocentro, em junho de 1996. Durante os dois meses seguintes, o operário sofreu com o resultado equivocado. Segundo o STJ, ele faltou várias vezes ao trabalho, teve de tomar calmantes, desenvolveu gastrite nervosa e outros problemas, comoinsônia, depressão e ansiedade. Após ser aconselhado pelo chefe, o torneiro fez um novo exame, em um laboratório particular, e descobriu que não era portador do vírus da aids.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.