Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Heleno contradiz Onyx sobre medidas e calendário das reuniões

Reuniões semanais dos ministros com Bolsonaro, previstas por Onyx, não foram confirmadas por Heleno; titular do GSI afirmou que colegas não aprofundaram medidas a serem tomadas no encontro desta terça

Felipe Frazão, O Estado de S.Paulo

08 Janeiro 2019 | 18h57

BRASÍLIA - Os ministros do governo Jair Bolsonaro não apresentaram nesta terça-feira, 8, durante reunião no Palácio do Planalto, as primeiras medidas de suas áreas - algumas para serem implementadas em janeiro - como prometera na semana passada o titular da Casa Civil, Onyx Lorenzoni.

Pela manhã, Bolsonaro usou o Twitter para afirmar que divulgará novidades em breve e dizer que discutiria planos e medidas de rápida implementação com os 22 ministros. "Em menos de duas semanas de governo, mais uma reunião para ouvir cada um dos ministros sobre os planos, propostas de enxugamento das pastas e medidas de rápida implementação. Nosso país não pode mais esperar. Logo, novidades na linha que o brasileiro sempre exigiu! Bom Dia!", escreveu o presidente.

Os ministros falaram na segunda reunião com Bolsonaro sobre as suas áreas respectivas, mas sem fazer detalhamentos de medidas a serem anunciadas ou metas, disse o titular do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), Augusto Heleno. "Não foi nada previsto. Eu nem falei, não apresentei nada", disse Heleno. Sobre os colegas, ele afirmou que "cada um apresentou um pouquinho do seu trabalho".

Desde o período de transição, o titular da Casa Civil afirma que Bolsonaro avalia um conjunto de 50 atos sugeridos por diferentes ministérios. Mas as primeiras medidas não foram divulgadas.  

Ao ser perguntado sobre quando serão divulgadas as primeiras medidas, Heleno disse que Onyx, como coordenador, deveria ser questionado: "Ele deve saber, cobrem dele".

Onyx elaborou uma documento batizado de "Agenda de Governo e Governança Pública”, no qual estabeleceu um cronograma a ser seguido pelos ministros nos primeiros 100 dias de governo.

O plano prevê que cada um dos 22 mininistros escolha uma "ação prioritária" da respectiva pasta até a próxima quinta-feira, dia 10, e, em seguida, passe a trabalhar para implementá-la até o dia 10 de abril, marca dos 100 dias da administração Bolsonaro.

“Eu não apresentei esboço nenhum (sobre os 100 dias). A reunião não foi nada disso. Tem um livrinho aqui que foi distribuído, acho que fala qualquer coisa de 100 dias, do Conselho de Governo", disse Heleno. 

O documento elaborado por Onyx também previa um calendário com reuniões semanais, às terças-feiras, do Conselho de Governo, integrado pelos ministros de Estado. O titular do GSI, porém, disse que não está definido sobre tais reuniões. Segundo ele, elas só ocorrerão quando for viável.

O ministro da Secretaria de Governo, Carlos Alberto dos Santos Cruz, afirmou que o plano de 100 dias, que deverá ter uma cerimônia pública em 10 de abril, conforme divulgado pela Casa Civil, é uma primeira prestação de contas à sociedade.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.