HC-SP registra troca de corpos e acidente na emergência

O Hospital das Clínicas (HC) de São Paulo foi palco de dois incidentes suspeitos de negligência. O cadáver de uma criança foi trocado pelo de outra no Instituto do Coração (Incor) e o Instituto Médico Legal (IML) constatou que a dona de casa Cleuza Edite dos Santos morreu por ter caído de uma maca, durante o atendimento, na quinta-feira. No caso da troca de cadáveres, o hospital entregou o corpo de Camille da Silva, de 1 ano e meio, da capital, aos familiares de Jheniffer Kauane, de 13, moradores de Ilha Solteira. As duas crianças morreram na sexta-feira, na Unidade de Terapia Intensiva do Incor. O cadáver de Jheniffer foi liberado por volta das 2 horas de hoje e a mãe assinou os papéis sem ver o corpo. Pela manhã, foi a vez de Cristina Souza, de 21 anos, mãe de Camille, saber do caso e descobrir que deveria esperar até 17 horas, porque o corpo da filha havia sido enviado por engano a Ilha Solteira. O HC não comentou o caso. Já Cleuza dos Santos, ao ser atendida com quadro clínico de hipoglicemia, morreu vítima de traumatismo crânio-encefálico, ao cair da maca. Em nota oficial, o HC negou que tenha acontecido falha no serviço e alegou que a paciente passou por um momento de agitação psicomotora e caiu de menos de 1 metro. Segundo o hospital, ela recebeu auxílio imediato.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.