Hartung se diz confiante no veto à emenda de royalties

O governador do Espírito Santo, Paulo Hartung, disse hoje que está confiante no veto do presidente Luiz Inácio Lula da Silva à emenda que redistribui os royalties do petróleo, mas que esse não será o fim da luta dos Estados produtores.

NICOLA PAMPLONA, Agência Estado

15 Julho 2010 | 17h23

Segundo ele, o próximo passo é a busca por algum benefício na nova distribuição dos royalties também do pré-sal, que deve voltar à pauta após o veto presidencial à chamada emenda Simon. "Confio que Lula vai por um veto, mas isso não é o ponto final da luta", afirmou, em entrevista concedida após cerimônia de comemoração do início da produção comercial de petróleo no pré-sal.

Hartung recebeu o presidente Lula na manhã de hoje no aeroporto de Vitória e o acompanhou em vista à plataforma Capixaba, que está extraindo óleo do pré-sal do campo de Baleia Franca. Na entrevista, ele disse que conversou bastante com Lula sobre o tema, mas não quis revelar o que ouviu do presidente. "Não posso falar pelo presidente", respondeu, reforçando sua confiança no veto com base em "tudo o que temos discutido" e em "tudo o que conversamos hoje".

Sobre o pré-sal, Hartung disse que vai defender a destinação de maiores volumes aos Estados produtores, que "ficam com o impacto social e ambiental" da exploração de petróleo. Sua posição é que os recursos também sejam distribuídos, em menor escala, a outros Estados e municípios, reduzindo a concentração da receita em poucos governos e prefeituras. A emenda Simon distribui os royalties dos contratos atuais e do pré-sal com base nos critérios do Fundo de Participações municipais.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.