Hartung propõe diminuição de alíquota da CPMF

O governador do Espírito Santo, Paulo Hartung (PMDB), afirmou não ser contrário à prorrogação da cobrança da CPMF, mas defendeu a redução da carga tributária do Brasil por meio da diminuição da sua alíquota ou das de outros tributos federais, por meio de regras de transição. O peemedebista, que defendeu uma negociação ampla envolvendo outros impostos, afirmou que o momento para esse processo é agora, porque há grande liquidez no mercado internacional e a economia brasileira está crescendo. "A hora é essa", destacou. "Temos uma carga tributária muito pesada, que penaliza a produção e o trabalho." Hartung lembrou que era senador quando foi proposta a elevação da alíquota da CPMF para 0,38%. Na ocasião, votou contra, recordou. Ele afirmou ainda que a contribuição cumpre duas funções importantes - ajudar a combater a corrupção e a lavagem de dinheiro -, mas ajuda pouco a financiar o setor de saúde, sua função original. "Ela foi feita para isso", declarou. O governador capixaba defendeu uma negociação para que haja, paralelamente à diminuição da carga tributária, ampliação dos gastos federais com saúde. "Tenho a impressão de que o orçamento federal de saúde está defasado em pelo menos R$ 10 bilhões", afirmou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.