Halloween, no início, não tinha com relação com bruxas

Nada de vassouras voadoras e poções complicadas para conseguir amor e dinheiro. Os praticantes dabruxaria moderna, a wicca, fazem alguns rituais bem simples para entrar em contato com a natureza e homenagear seus ancestrais.Um deles será possível realizar nesta quinta-feira mesmo e celebrar o Halloween em casa. Basta comprar flores e velas e resgatar fotosde antepassados.Pôr-do-solO momento mais indicado para iniciar o ritual é aopôr-do-sol. Monte um pequeno altar com todos os itens e procure ficar calmo. Em seguida, pense nessas pessoas. Peça inspiração para levar uma vida de harmonia e respeito com os outros.Essa celebração simples remete às tradições dos celtas - povo que habitou a Gália e as ilhas da Grã-Bretanha entre os anos 600 a.C. e 800 d.C. - ligadas à origem do Halloween. A história, logo, está bastante distante das abóboras ou da famosafrase "Travessuras ou Gostosuras", exportada pelos Estados Unidos, que popularizaram a comemoração.Festival celtaEm sua origem, o Halloween não tinha relação com bruxas. "Era um festival do calendário celta da Irlanda, o Samhain, que ia de 30 de outubro e 2 de novembro e marcava o fim do verão",explica Cláudio Crow Quintino, autor do Livro da Mitologia Celta."O Samhain era comemorado por volta do dia 1º denovembro, com alegria e homenagens aos que já partiram. Para os celtas, os deuses também eram seus ancestrais."Com a cristianização, essa celebração se dividiu em duas: o Dia de Finados e o Halloween. O primeiro, comemorado no dia 2, surgiu para homenagear os ancestrais. Já entre opôr-do-sol do dia 31 de outubro e 1º de novembro, ocorria o All Hallows Evening, o Dia de Todos os Santos. As entidades pagãs viraram santos católicos. Foi o que aconteceu com Brighid, quevirou Santa Brígida.A relação da data com as bruxas começou na Idade Média, na Inquisição, quando a Igreja condenava curandeiras e pagãos. Todos eram designados bruxos. Essa distorção se perpetuou, e oHalloween, levado aos Estados Unidos pelos irlandeses, no século 19, ficou conhecido como Dia das Bruxas.RitualTodas as sextas-feiras, a bruxa e sacerdotisaPriscilla Junqueira realiza rituais abertos no espaço Cia. das Bruxas, em Santana, na zona norte de São Paulo. Nas celebrações, ela ensina que a wicca é uma filosofia que tem entre suasprincipais características a alegria de viver, o respeito à natureza e a prática do bem, sem distinção de raça ou credo."Uma bruxa nunca deseja o mal, porque sabe que tudo que se faz contra ou a favor dos outros você receberá multiplicado por três", explica. "Pelo menos uma vez por semana, procuramos fazer caridade, de preferência para desconhecidos."Dia-a-dia das bruxasPriscilla diz que o dia-a-dia de uma bruxa começa com um despertar calmo. "Não pulamos da cama. Antes, mentalizamos as atividades do dia e imaginamos como ele será alegre."Também há tempo para banhos de ervas, uma para cada objetivo. "A canela é para o amor, o cravo para o dinheiro, e o alecrim para melhorar a intuição", diz a sacerdotisa.São muitas as histórias sobre bruxas famosas daantiguidade. Entre elas, a de Lagarrona, que viveu em Évora e tinha grandes poderes. Conhecia a magia de seus ancestrais muçulmanos e a dos celtas. Diz-se que voava em vassouras, cães ecamelos. Era sempre procurada por causa do poder de seus feitiços. Quem quiser pode arriscar a sorte.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.