Hage vê preconceito em notícias sobre tapioca

A tapioca comprada pelo ministro do Esporte, Orlando Silva, com um cartão corporativo continua a render polêmica. Segundo o ministro Jorge Hage, da Controladoria-Geral da União (CGU), a tapioca foi explorada por ''preconceito'' da mídia. Segundo ele, ninguém teria cobrado explicações do colega, se ele tivesse comido um hambúrguer.Hage foi questionado pelo deputado Vic Pires (DEM-PA) sobre a compra da tapioca. ''Se tivesse sido um sanduíche do McDonald''s, um hambúrguer, talvez não tivesse tanto apelo. Alguém ia denunciar?'', argumentou Hage.''Sei que vamos encontrar algo muito além de uma tapioca de R$ 8 na rubrica de alimentos. A compra de alimentos em Brasília, seja tapioca, McDonald''s, Piantella (restaurante freqüentado por políticos) ou caviar, é a mesma coisa. Só estou afastando um comentário preconceituoso em relação à tapioca'', afirmou. Ele ressaltou em que se a tapioca tivesse sido comprada fora de Brasília não haveria nenhuma irregularidade.O deputado Carlos Sampaio (PSDB-SP) reagiu aos comentários sobre preconceito. ''Se preconceito houve, foi do próprio ministro (Paulo Bernardo) que disse que essa seria a CPI da Tapioca.''

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.