Ed Ferreira/Estadão
Ed Ferreira/Estadão

Haddad visita Dilma e agradece apoio durante a campanha

Petista afirmou que na próxima semana começará a discutir nomeações e o organograma da prefeitura

Tânia Monteiro e Rafael Moraes Moura - O Estado de S. Paulo,

29 de outubro de 2012 | 13h35

Brasília - Na primeira visita do prefeito eleito de São Paulo, Fernando Haddad, à presidente Dilma Rousseff, no Palácio do Planalto, ele agradeceu o "apoio", "empenho", "carinho" e "amizade" dela na campanha que, na sua avaliação, foram "fundamentais" para a sua vitória sobre o tucano José Serra. No encontro, no qual estava acompanhado de sua mulher, Ana Estela, Haddad comentou com Dilma sobre a afirmação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que ele conseguiu eleger "dois postes" para governar o País e a maior capital brasileira e os dois riram e brincaram com isso.

Depois do encontro, em entrevista, Haddad defendeu uma "transição de alto nível" com o prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab e anunciou que vai "sair uns poucos dias para descansar". Em sua fala, Haddad avisou ainda que, a partir da semana que vem quer estar disponível para começar a discutir, primeiro, o organograma da Prefeitura de São Paulo e em seguida, nomeações. Informou também que Antônio Donato, que coordenou sua campanha, será o responsável pela transição.

"Quero, sem nenhuma perda de tempo, estabelecer que, assim como vamos fazer uma transição de alto nível com Kassab, já constituindo equipes que possam trocar informações, quero promover, este mesmo tipo de interlocução com o governo federal", disse Haddad, lembrando que conhece como a máquina federal funciona, citando que passou por dois ministérios - Planejamento e Educação e que isto pode ser muito proveitoso. Segundo o futuro prefeito, já existe um grupo de trabalho discutindo também as parcerias que foram anunciadas e que ele gostaria de ver implementadas na cidade de São Paulo, o quanto antes, em torno dos eixos estruturais do seu programa de governo.

Haddad disse que a questão da dívida da cidade de São Paulo, que hoje é da ordem de R$ 58 bilhões, e que já ultrapassou o nível possível de endividamento do município, foi tratada com a presidente Dilma, durante a conversa, mas sem nenhum tipo de definição ou detalhamento. "Passamos por este assunto também", declarou Haddad, ressaltando, no entanto, que a visita foi de "cortesia" e que os dois conversaram amenidades e aproveitaram "para matar as saudades". Diante da insistência dos jornalistas sobre a questão de uma possível renegociação da dívida do município com a União, Haddad respondeu: "todos comungamos do mesmo objetivo, de fazer uma parceria em torno de todos os temas de interesse de São Paulo". E emendou: "e este assunto (dívida da cidade) é um assunto presente nas conversas, mas há também os investimentos federais que pretendo levar para São Paulo".

Questionado sobre qual será o papel de Lula em seu governo, Haddad disse que "o presidente Lula é um conselheiro de todos nós". Ele reconheceu que o apoio de Dilma e Lula foram "fundamentais" para sua vitória em São Paulo. "Todo apoio é fundamental", emendou, justificando que "Lula e Dilma são figuras centrais no cenário político nacional".

Sobre os nomes que vão compor o seu governo na prefeitura, Fernando Haddad afirmou que "isso vai depender do início dos trabalhos que vamos começar a partir da semana que vem". Ele não quis dizer quando anunciará o primeiro nome do seu futuro secretariado, explicando que isso não acontecerá antes de começar a discutir o organograma da prefeitura. "A primeira tarefa é o organograma", avisou.

Haddad deixou o Planalto dizendo que estava indo para o Ministério da Educação, agradecer o apoio ali recebido dos seus antigos companheiros. "Vou visitar também os meus companheiros do Ministério da Educação. Não posso deixar de abraçá-los no dia de hoje. Tenho certeza que uma parte do êxito que logrei em São Paulo tem muito a ver com o que os professores e professoras conseguiram durante minha gestão e isso é uma forma de homenageá-los é visitar o Ministério da Educação".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.