Haddad tenta ?desconstruir? Russomanno em propaganda

"Não é por mal. É falta de experiência." As frases finais da propaganda da campanha do candidato do PT à Prefeitura de São Paulo, Fernando Haddad, que irá ao ar nesta semana na televisão e já foi publicada no site do candidato são o mote do discurso que o PT fará contra Celso Russomanno (PRB) nas duas semanas que antecedem as eleições.

FERNANDO GALLO E RICARDO CHAPOLA, Agência Estado

24 de setembro de 2012 | 09h14

Pesquisas internas da campanha petista mostraram que o eleitor de Russomanno tem uma relação afetiva com o líder das pesquisas, e que, portanto, a melhor estratégia a ser usada na televisão não seria a artilharia pesada, mas uma tentativa de desconstruí-lo sem melindrar seus simpatizantes.

O PT adiava o embate direto contra Russomanno na expectativa de que a campanha tucana o fizesse, já que, três semanas atrás, Haddad subia nas pesquisas e Serra caía. De lá para cá, porém, o candidato do PSDB parou de perder eleitores, e o petista oscilou para baixo.

O núcleo político da campanha de Haddad passou a pressionar o marqueteiro João Santana para que Russomanno entrasse na pauta. Santana pedia mais tempo para novas avaliações. O estopim de um início de crise ocorreu na quarta-feira, quando uma pesquisa Datafolha mostrou que Serra se descolara de Haddad e ambos já não estavam mais empatados tecnicamente.

Os petistas ainda quebravam a cabeça para achar um mote para os ataques a Russomanno, e foi o próprio candidato quem se saiu com a ideia do "não é por mal".

Neste domingo (23), Haddad afirmou, após carreata, que o rival "não tem traquejo com a máquina pública" e "não conhece a cidade". "Não se pode lidar com São Paulo com amadorismo." Russomanno disse que não comenta "ataques pessoais". "Quero uma campanha limpa, uma campanha de ideias." As informações são do jornal O Estado de S. Paulo

Tudo o que sabemos sobre:
eleições 2012SPHaddadRussomanno

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.