José Patrício/AE
José Patrício/AE

Haddad sinaliza plano de governo em 4 eixos

Ênfase em transporte e educação sugere que pré-candidato do PT à Prefeitura de SP dê continuidade à gestão de Marta, de 2004

Ricardo Chapola, estadão.com.br

25 de abril de 2012 | 20h08

SÃO PAULO - O pré-candidato do PT à Prefeitura de São Paulo, Fernando Haddad, sinalizou nesta quarta-feira, 25, quais serão as diretrizes do plano de governo que ele defenderá durante a campanha.

Em entrevistas à Band News e ao SBT, ele afirmou que serão enfatizados os setores de transporte, moradia, saúde e educação. Os dois primeiros, segundo o ex-ministro, tratam-se de problemas agudos, e, os dois últimos, de crônicos. Se a plataforma for consolidada nesses eixos, Haddad confirmará sua preocupação em dar continuidade a projetos defendidos pela senadora Marta Suplicy (PT) durante sua gestão, em 2004, principalmente na área de transporte e educação.

"No nosso entendimento, São Paulo vive dois problemas muito agudos hoje: transporte e moradia, e dois problemas crônicos: saúde e educação. Precisamos incidir nesses quatro assuntos imediatamente", disse Haddad. Ele afirmou também que sua plataforma terá o mote de trazer generosidade a São Paulo. "Está faltando generosidade para a cidade."

Transportes. O petista avaliou que São Paulo vive um "verdadeiro apagão" no transporte público. "As pessoas estão comprando um carro para se deslocar, porque o transporte público vem recebendo poucos investimentos da Prefeitura", afirmou, não poupando a gestão do seu principal adversário, José Serra (PSDB), e a do atual prefeito, Gilberto Kassab (PSD), ao questionar sobre os 200 quilômetros de corredores de ônibus prometidos. "Na gestão da Marta, foram construídos 70 quilômetros. É um recorde da cidade", defendeu. O pré-candidato acrescentou também que foi Marta quem introduziu o sistema de Bilhete Único na capital.

Outro pilar da plataforma visando à continuidade da gestão petista é a educação. Carregando a herança dos Centros Educacionais Unificados (CEUs), Haddad disse que defenderá a construção de creches para atender as 200 mil crianças que esperam por uma vaga. Ele também defendeu ensino em tempo integral. Além disso, o petista voltou a cobrar a falta de parcerias com o governo federal, sobretudo nos setores de educação profissional e ensino superior.

Moradia. Ao falar de habitação, o pré-candidato voltou a criticar a gestão atual. "A Prefeitura está no pior momento na produção de moradia popular e de regularização fundiária", apontou.

Haddad também aproveitou a apresentação de suas propostas na área de saúde pública para alfinetar o tucano Serra, que foi prefeito em 2006, mas teve experiência à frente do Ministério da Saúde, em 2002.

O petista voltou a abordar o problema da falta de leitos do Sistema Único de Saúde (SUS) e a possibilidade de o governo do Estado vender 25% das vagas dos hospitais ao setor privado. "O problema na saúde é um só: a falta de gestão", concluiu.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.