Epitácio Pessoa/AE
Epitácio Pessoa/AE

Haddad rebate Guerra: 'duvido que tenham saudades de FHC'

Candidato petista reagiu às ofensivas do presidente do PSDB, que atribiu as greves em universidades à sua gestão no MEC

Ricardo Chapola, do Estadão.com.br

06 Junho 2012 | 18h39

O candidato do PT à Prefeitura de São Paulo, Fernando Haddad, criticou nesta quarta-feira, 6, a gestão do Ministério da Educação durante o mandato do ex-presidente tucano, Fernando Henrique Cardoso, aliado de seu adversário José Serra. "Eu duvido que alguém tenha saudade dos tempos do FHC", respondeu Haddad, após uma reunião com líderes do núcleo LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais e Transgêneros) na Associação da Parada do Orgulho Gay de SP. "O PSDB tem um viés antissocial e antinacional. São fiéis a esses vieses, que não estão no nosso DNA." Ex-ministro da pasta durante o governo Lula, Haddad reagiu às últimas ofensivas do PSDB, que atribuiu a paralisação de 80% das universidades federais a uma "herança maldita" de sua gestão no MEC.

Em nota divulgada nesta quarta, o presidente nacional do PSDB, o deputado federal Sérgio Guerra afirmou que as greves nas universidades federais são fruto de uma "herança maldita" deixada por Haddad à administração federal. Guerra também criticou o ex-ministro por ter feito o que chamou de "universidades no papel".

"Estou há cinco meses afastado do MEC. Eu me solidarizo com os 20% de estudantes que ainda não receberam uniforme escolar em São Paulo, com os 32% dos estudantes que não tem professores contratados nas escolas. Na minha opinião, o PSDB deveria estar preocupado com estado da educação em SP, que é muito grave", rebateu, alfinetando a administração do prefeito Gilberto Kassab (PSD), outro aliado de Serra.

Outra vez. Não será na Parada Gay, no domingo, que Haddad e Marta Suplicy dividirão o palanque. Haddad alegou que viajará com a família no feriado e, por isso, não comparecerá ao evento. Já a senadora confirmou a sua presença. Desde o início da pré-campanha, a cúpula petista une esforços para aproximar a senadora da campanha de Haddad. Desde que foi preterida na escolha do candidato em SP, a presença de Marta não tem sido frequente nos eventos petistas. No último sábado, a senadora faltou à cerimônia de lançamento da candidatura do ex-ministro.

"Seria interessantíssimo (o encontro com Marta na Parada). Viajo nos feriado, porque é o último período que eu vou ter antes das eleições. É o que me restou para algum descanso. Minha família está fazendo campanha para eu dar uma descansada", brincou.

Mais conteúdo sobre:
Eleições 2012, Fernando Haddad, PT

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.