Haddad quer trocar coronéis por engenheiros

Empenhado em concluir seu secretariado e definir nomes para comandar empresas e autarquias do município, o prefeito eleito de São Paulo, Fernando Haddad (PT), vai trocar os coronéis da reserva de Gilberto Kassab (PSD) por engenheiros de carreira nas 31 subprefeituras da capital. A medida temporária já criou, no entanto, o primeiro atrito entre Haddad e a bancada do PT na Câmara Municipal.

DIEGO ZANCHETTA, Agência Estado

13 de dezembro de 2012 | 09h56

Informados na segunda-feira (10) sobre a decisão do prefeito em reunião com o novo secretário de Coordenação das Subprefeituras e hoje líder do partido na Câmara, Chico Macena (PT), parlamentares petistas, como Ítalo Cardoso, Senival Moura, Alfredinho e Juliana Cardoso, ficaram revoltados.

Pressionado desde novembro pelos petistas a definir os quadros do partido que vão assumir cargos de subprefeitos, Haddad argumentou aos vereadores que não teria tempo de fazer a composição política das subprefeituras até o dia 31 deste mês. Macena justificou a decisão como provisória e disse que o prefeito continuaria analisando algumas indicações já feitas por aliados do partido. Haddad quer pessoas com trânsito nos movimentos sociais e que tenham ficha limpa. Ele também vai dar preferência para a indicação de políticos que residam na região da subprefeitura.

As justificativas do prefeito pouco convenceram. Até José Américo (PT), candidato indicado por Haddad à Presidência do Legislativo, ficou contrariado. Para a bancada petista, os engenheiros de carreira não têm contato com a comunidade nem com os movimentos sociais. "Não muda nada trocar um coronel por um engenheiro de carreira. O subprefeito vai continuar sem conhecer as verdadeiras demandas da população", disse um petista na reunião da bancada com Macena. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo

Tudo o que sabemos sobre:
Haddadsubprefeituras

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.