Haddad nega clima ruim após vídeo com Serra e Hitler

‘O clima ruim é criado se não há uma providência’, afirmou o candidato do PT à Prefeitura de São Paulo

Aline Bronzati, da, Agência Estado

11 de agosto de 2012 | 18h17

O candidato do PT à Prefeitura de São Paulo, Fernando Haddad, disse neste sábado que o vazamento do vídeo que compara o candidato do PSDB, José Serra, ao ditador alemão Adolf Hitler não trouxe clima ruim para a sua campanha. "O clima ruim é criado se não há uma providência", acrescentou ele, após discursar na plenária do vereador Antonio Donato (PT).

O vazamento do vídeo causou a demissão de um integrante da campanha porque, conforme Haddad, o partido entendeu que o mesmo cometeu um erro e outra pessoa se desligou do partido em solidariedade ao colega demitido. Produzido pelo rapper MC Mamutti 011, o vídeo também retrata Serra como vampiro, profeta do apocalipse e o compara ao personagem Mr. Burns, do desenho animado Os Simpsons.

Questionado sobre se o fato não demonstra falta de controle da campanha, o candidato do PT disse que "falhas profissionais acontecem". E sugeriu ao partido concorrente (PSDB):

"quando eles detectarem um erro como o de hoje (vídeo comparando Serra a Hitler), é melhor agir rápido como eu. Isso contribui para um clima favorável na campanha. Se fingir que nada aconteceu, é ruim".

Haddad, que apresentará seu plano de governo na próxima segunda-feira, prometeu anunciar novidades durante a campanha eleitoral televisiva, que começa no dia 21 de agosto. Segundo ele, a marca da campanha será o desenvolvimento urbano.

"Trabalhamos seis meses. Reunimos o que a cidade tinha de melhor para nos ajudar. Algumas das nossas propostas já estão na rua, provocando reação dos adversários", afirmou ele, em entrevista à imprensa.

Haddad também disse não entender porque houve tanta manifestação do PSDB contra o bilhete único mensal, que permitiria à população realizar viagens ilimitadas de ônibus, trem ou metrô pela capital paulista. "É algo que tem no mundo inteiro. Nós podemos avançar e dar condições para o jovem e para o trabalhador circularem pela cidade com mais liberdade", destacou.

No discurso durante a plenária, o candidato do PT afirmou que as companhias responsáveis pelo metrô e pelo trem de São Paulo serão convidadas a integrar o projeto do bilhete único mensal. Conforme a coordenação da campanha petista, o custo para o usuário comum seria de cerca de R$ 150 e, para os estudantes, de R$ 75.

Ainda durante seu discurso, Haddad atacou a atual gestão (Kassab) e a anterior (Serra) e resumiu parte de suas propostas. Entre elas estão levar o metrô para o Jardim Ângela, Lapa e Pirituba, duplicar a Estrada do M''Boi Mirim e construir 55 mil unidades habitacionais em quatro anos.

Tudo o que sabemos sobre:
Eleições 2012Fernando HaddadPT-SP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.