Haddad inicia ofensiva para desconstruir Russomanno

Comercial exibido a partir deste sábado diz que eleitor não pode votar em alguém 'só porque ele é amigão'

Vera Rosa, de O Estado de S. Paulo

22 de setembro de 2012 | 00h05

A campanha de Fernando Haddad (PT) à Prefeitura de São Paulo inicia neste sábado, 22, uma ofensiva para desconstruir Celso Russomanno (PRB), líder nas pesquisas de intenção de voto. Em comercial de 15 segundos, que irá ao ar na TV, dois amigos conversam na mesa de um bar e um deles aparece "travestido" de Russomanno, exibindo até mesmo sorriso parecido com o do candidato. "Você não pode votar em alguém só porque ele é amigão. Tem que votar em quem tem propostas, experiência", diz o locutor, no fim da propaganda.

A estocada em Russomanno marca a segunda parte da estratégia petista, que dá ênfase para o ataque ao candidato do PSDB, José Serra. O tucano abriu seis pontos de vantagem sobre Haddad na última pesquisa Datafolha e os dois duelam por vaga no segundo turno contra Russomanno. Com o candidato do PRB "roubando" votos do PT na periferia, principalmente na zona leste, o comitê de Haddad decidiu "distribuir o confronto" com os dois adversários.

A 15 dias da eleição, a tática consiste em disseminar dúvidas contra o líder das pesquisas. O spot é em tom bem humorado, diferente do bombardeio contra Serra. A campanha petista quer mostrar que Russomanno não tem propostas e que seu nome, apoiado pela Igreja Universal, só ficou conhecido porque ele apresentava programas de defesa do consumidor.

No comercial que estreia neste sábado, dois amigos trocam ideias sobre eleições. "Já sei em quem eu vou votar para prefeito", diz o primeiro. "Ah é? Quem?, pergunta o outro. "Em você, que é meu amigão".

Vestido com uma camiseta azul, o "Russomanno" do comercial não disfarça o espanto. "Eu? Mas eu não tenho nenhuma proposta", afirma ele. "Não precisa. Na hora você inventa uma e tudo bem", responde o amigo. "Não tenho nenhuma experiência, cara", retruca o "convidado" a candidato. "Que nada! É só você ficar apertando a mão e rindo pra todo mundo que resolve".

Com fisionomia de quem já começa a se empolgar com a ideia, o homem sorri. Ao fundo, aparecem bananas penduradas, numa cena típica de botequim. "Será que eu vou conseguir cuidar de uma cidade desse tamanho?", pergunta o indicado. A resposta é uma alfinetada em Russomanno. "É só você falar que entende de compra de eletrodoméstico, de troca de mercadoria, garantia...", diz o inventor da candidatura. E dá um conselho: "Mas faz aquele sorrisinho...". O comercial termina com o ar triunfal do "amigão".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.