Rafael Arbex/Estadão
Rafael Arbex/Estadão

Haddad: há uma falta de sensibilidade social crônica no governo

Ex-prefeito de São Paulo disse que a gestão de Michel Temer está apoiada em 'outros interesses'

Clarissa Oliveira, O Estado de S.Paulo

30 Maio 2018 | 16h49

SÃO PAULO - O ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad afirmou na quarta-feira, 30, que falta ao governo federal "pensar na parte mais fraca" da população. Ao discorrer sobre temas como a reforma trabalhista aprovada pelo presidente Michel Temer, Haddad afirmou que o governo se sustenta por "interesses" alheios às parcelas mais carentes da sociedade.

+ Haddad continua conversas com líderes de partidos de esquerda

"Há uma falta de sensibilidade social crônica nesse governo. E é isso o que gera toda essa insatisfação que estamos vendo", disse Haddad, que participou de uma conferência organizada pela GO Associados em São Paulo.

Escalado para integrar a coordenação da campanha petista ao Planalto, o ex-prefeito paulistano é apontado como uma das principais alternativas para substituir o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva na chapa. Enquanto se revezava entre promessas eleitorais e críticas ao governo Michel Temer, o petista empenhou-se em reforçar que estava falando "na condição de coordenador do programa de governo do PT".

+ Lula está 'perplexo' com desabastecimento no País, diz deputado após visita na PF

Questionado se acredita que Temer chegará ao fim do mandato, Haddad engatou: "Depois do que aconteceu com a JBS no ano passado esse governo não caiu, vai cair agora a três meses da eleição? Calendário é muito importante. O que desejamos é que tenhamos eleições livres em outubro, para que as pessoas possam escolher um novo presidente da República".

+ Ciro nega chapa com Haddad: 'É preciso respeitar o tempo do PT'

"Mas é curioso: por que é um governo que não cai, com 5% de aprovação, com tudo o que está acontecendo? Porque ele não se apoia nas próprias pernas", disse o ex-prefeito. "O governo está pendurado em outros interesses."

Intervenção 

Haddad aproveitou para criticar o discurso de setores da sociedade em favor de uma intervenção militar. Segundo ele, falta a essa parcela da população compreender o impacto que uma medida nesse sentido teria na economia brasileira.

"Para esse pessoal aí que está pedindo intervenção militar: a primeira coisa que vai acontecer é os investidores fugirem no Brasil. Todo mundo foge disso", afirmou Haddad.

+ Desembargador devolve a Lula benefícios de ex-presidente

Eletrobras. Questionado sobre como avalia propostas como a privatização da Eletrobras, Haddad foi incisivo em se posicionar contrariamente à medida. De acordo com ele, não se pode tratar o setor de energia da mesma forma como se tratou no passado segmentos como a oferta de telefonia.

"Não é a mesma coisa que telefonia. Esta é uma empresa altamente estratégica. Precisa corrigir, sim. Tudo precisa corrigir. Você precisa seguir avançando. Mas não vamos privatizar." 

Mais conteúdo sobre:
Fernando Haddad

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.