Andre Dusek/AE - 15/09/2011
Andre Dusek/AE - 15/09/2011

Haddad ganha apoio de ala majoritária do PT

Corrente de Lula decide trabalhar pela candidatura do ministro em 2012 para, se não houver consenso, vencer as prévias da legenda em novembro

Iuri Pitta e João Domingos, de O Estado de S.Paulo

19 Setembro 2011 | 22h20

SÃO PAULO e BRASÍLIA - Seguindo o pensamento do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, a coordenação da corrente petista Construindo um Novo Brasil (CNB) decidiu na segunda-feira, 19, apoiar a pré-candidatura do ministro Fernando Haddad (Educação) à Prefeitura paulistana. Com isso, em eventuais prévias, o nome preferido de Lula subiria dos 6,5% que sua corrente, Mensagem ao Partido, obteve na última eleição do diretório municipal para mais de 30%.

 

Cerca de 60 dirigentes da CNB participaram da reunião que fechou questão em torno da pré-candidatura de Haddad. Estavam lá deputados como o ex-presidente nacional do PT Ricardo Berzoini e o ex-presidente da Câmara João Paulo Cunha, réu no processo do mensalão.

 

No início do encontro, Haddad pediu pessoalmente apoio dos dirigentes da CNB e, a exemplo de Lula, defendeu seu nome como uma novidade na política com reais condições de vencer em 2012. Além do ministro, disputam a candidatura os deputados Jilmar Tatto e Carlos Zarattini e os senadores Eduardo Suplicy e Marta Suplicy, que lidera as pesquisas eleitorais.

 

Pré-candidato à Prefeitura de Osasco, João Paulo foi um dos poucos presentes a se opor à declaração de apoio a Haddad neste momento - o parlamentar defendia postergar a decisão. "Mas todos os presentes garantiram que vão acatar a decisão da maioria e trabalhar pela candidatura do ministro", afirmou um dos participantes.

 

Embora majoritária no âmbito nacional, a corrente de Lula era a terceira força na capital, mas ganhou a adesão de dois vereadores - Alfredinho e Francisco Chagas -, do ex-vereador Paulo Fiorilo e do deputado estadual José Zico Prado. Como o Estado revelou, o fortalecimento da CNB faz parte de uma tática para vencer as prévias, caso não seja possível obter consenso, como defende o ex-presidente.

 

Com isso, a CNB hoje acredita ter a maior fatia dos filiados com direito a voto nas prévias. Fazem parte da corrente na capital, além de Berzoini, o deputado federal Vicente Cândido, o estadual Luiz Cláudio Marcolino e o vereador Chico Macena.

 

Há duas semanas, o anúncio do ministro de Ciência e Tecnologia, Aloizio Mercadante, de que estava fora da disputa à Prefeitura abriu caminho para a CNB apoiar Haddad. A corrente espera agora pela adesão de mais parlamentares à pré-candidatura do ministro.

 

Estão no alvo vereadores da corrente Novo Rumo, vencedora do último Processo de Eleições Diretas (PED), em 2009, com 36,6%.

 

Alckmin. Em reunião no diretório estadual do PT, no fim de semana, integrantes do partido criticaram a aproximação da presidente Dilma Rousseff com o governador tucano Geraldo Alckmin. Segundo o portal iG, em texto debatido na reunião, integrantes da direção estadual petista disseram que a aproximação promovida pelos tucanos se trata de "verniz político".

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.