Haddad e Serra travam duelo sobre o Bilhete Único

O debate sobre transporte público em São Paulo voltou à cena nestes últimas dias de campanha após o candidato do PSDB, José Serra, lançar na quarta-feira (24) a proposta de ampliar os benefícios do Bilhete Único. A ideia do tucano foi chamada nesta quinta-feira (25) pelo adversário Fernando Haddad (PT) de "uma cópia malfeita" do seu projeto de criar o Bilhete Único Mensal. Já Serra diz que o petista tem "inveja" de seu plano.

FELIPE FRAZÃO, ISADORA PERON E RICARDO CHAPOLA, Agência Estado

26 de outubro de 2012 | 08h49

O projeto do tucano - que não constava do seu plano de governo lançado dez dias atrás - prevê ampliar o Bilhete Único de três para seis horas de duração e aumentar o benefício do Bilhete Amigão, que valerá das 14h do sábado até a noite de domingo. O custo da medida para a Prefeitura é avaliado em R$ 500 milhões por ano.

Já no projeto petista, que está em seu plano de governo lançado em 13 de agosto, o paulistano pagaria R$ 140 por mês para viajar quantas vezes quisesse de ônibus. O custo seria de R$ 400 milhões anuais.

"É um remendo da minha proposta, que é muito mais generosa porque (o bilhete) é mensal ou semanal", afirmou Haddad. "É típico de quem não planejou a campanha", disse o candidato.

O tucano afirma que a duplicação do tempo do Bilhete Único foi um plano elaborado por ele próprio. "Eu não tirei (a ideia) da manga, eu tirei da minha cabeça", disse, ressaltando que só a lançou poucos dias antes das eleições porque levou muito tempo para consolidá-la.

Estratégia

A campanha de Serra prepara uma força-tarefa para reforçar a divulgação da proposta de ampliação do Bilhete Único. Os tucanos já começaram a apresentar o projeto na TV e vão imprimir milhares de panfletos que serão distribuídos. A equipe do PSDB também incluiu o tema em sua campanha de telemarketing, que vai disparar 1 milhão de panfletos até domingo.

O PSDB pretende manter o debate sobre as parcerias entre entidades privadas e a rede de saúde. Cabos eleitorais da campanha tucana passaram a entregar, nas portas de hospitais e de unidades de Atendimento Médico Ambulatorial (AMA), panfletos que acusam o PT de querer encerrar os contratos com organizações sociais. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo

Tudo o que sabemos sobre:
eleições 2012SPtransporte

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.