Haddad e Chalita criticam reunião entre PSDB e PRB

O candidato do PT à Prefeitura de São Paulo, Fernando Haddad, questionou ontem a aproximação entre o PSDB de José Serra e o PRB de Celso Russomanno. O petista sugeriu que a candidatura do adversário está mudando de rumo. "Imaginava que a candidatura (de Russomanno) proporia uma mudança, e não a continuidade. Hoje a Prefeitura de São Paulo não é exemplo para nenhuma outra do País", disse Haddad durante caminhada pela Avenida Rio Pequeno, no Butantã, zona oeste.

BRUNO LUPION E FELIPE FRAZÃO, Agência Estado

26 de julho de 2012 | 09h42

Em entrevista ao jornal O Estado de S.Paulo publicada ontem, Russomanno subiu o tom das críticas ao petista e elogiou Serra. As declarações foram dadas após o candidato do PSDB se encontrar na sexta-feira com o coordenador da campanha do PRB e presidente nacional do partido, Marcos Pereira. A reunião ocorreu no apartamento do prefeito Gilberto Kassab (PSD).

Serra e Russomanno estão empatados tecnicamente na frente da disputa pela preferência do eleitorado, segundo o Datafolha, com 30% e 26% das intenções de voto, respectivamente. Haddad está bem atrás, com 7%. A margem de erro é de 3 pontos porcentuais para mais ou para menos.

O candidato do PMDB a prefeito de São Paulo, Gabriel Chalita, também criticou o encontro de Serra e Pereira. O peemedebista afirmou que a formação de candidaturas auxiliares são "lamentáveis" e que a reunião entre os adversários "foi ruim" para a política.

"O Kassab está prestando um desserviço para a política. Se de fato o Russomanno está se prestando a isso (um pacto de ajuda mútua com Serra), acho lamentável. O Kassab deveria estar reunido com o governador Alckmin e com a presidenta Dilma, preocupado com o problema da violência, e não com o Marcos Pereira e com o Serra para discutir uma eventual aliança ou uma ajuda de um pro outro. Isso é ruim para a política", afirmou.

Russomanno nega ter feito acordo com Serra, mas confirma a conversa de Pereira com o candidato tucano à Prefeitura. Ontem, ele subiu o tom contra Kassab e fez críticas às medidas de sua administração na chamada Feirinha da Madrugada, no Brás, centro de São Paulo. Já o candidato Serra não participou de eventos públicos no dia de ontem.

Mensalão

Ainda ontem o candidato petista à Prefeitura de São Paulo foi questionado se espera ter que falar sobre o julgamento do mensalão nos debates televisivos, que se iniciam na próxima semana. Haddad afirmou que seu foco são os problemas da cidade, mas estará preparado para "qualquer pergunta". As informações são do jornal O Estado de S.Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
eleiçõesSPHaddadChalita

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.