Haddad diz que vai manter relações institucionais com eventual governo Temer

Prefeito de São Paulo e candidato à reeleição reafirmou que impeachment é 'golpe constitucional', mas que 'interesse público deve vir em primeiro lugar'

Gilberto Amendola, O Estado de S.Paulo

31 de agosto de 2016 | 13h19

O prefeito de São Paulo Fernando Haddad (PT), candidato à reeleição nas eleições municipais deste ano, reafirmou nesta quarta-feira, 31, que o processo de impeachment "é um golpe constitucional" - citando publicações internacionais como o Le Monde e do New York Times. Ainda assim, Haddad disse que deve manter relações institucionais com um eventual governo Michel Temer. "O interesse público deve vir em primeiro lugar".

Haddad cumpriu agenda de campanha na região do Itaim Paulista, mais especificamente na Avenida Nordestina. No local, ainda falou sobre projetos de atrair empresas para a zona leste - que contaria com redução de impostos para as companhias que se instalarem na região. 

Tudo o que sabemos sobre:
PTLe MondeMichel Temer

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.