José Patrício/AE
José Patrício/AE

Haddad diz que PT deve um governo 'com começo, meio e fim' para SP

Para o pré-candidato, Serra e Kassab desconstruíram os programas implantados por Marta

Daiene Cardoso, da Agência Estado,

09 de março de 2012 | 20h35

SÃO PAULO - Em encontro nesta sexta-feira, 9, com militantes na zona leste de São Paulo, o pré-candidato do PT à sucessão municipal na capital paulista, Fernando Haddad, disse que a administração do petista foi interrompida e que o partido não teve o "privilégio" de governar o município por oito anos. "Nós estamos devendo um grande governo para São Paulo com começo, meio e fim". A última gestão do PT em São Paulo foi entre 2001 e 2004 com Marta Suplicy, hoje senadora. "Temos de retomar São Paulo", conclamou a militância.

Para o pré-candidato, os últimos oito anos de gestão (José Serra/Gilberto Kassab) destruiu os programas implantados por Marta. "Estão desconstruindo o que estávamos plantando. O que foi plantado foi cortado pela raiz", afirmou o petista, listando os projetos que foram reduzidos pela atual gestão. Segundo Haddad, assim como os ex-prefeitos Paulo Maluf e Celso Pitta desfizeram o trabalho da ex-petista Luíza Erundina (hoje deputada federal pelo PSB), o trabalho de Marta foi "destruído" por Serra e Kassab. "Não se pode desfazer o que estava no caminho certo", emendou.

Na avaliação dele, o município perde em abrir mão de recursos federais para implementar programas sociais, como o Pró-Infância, que teria verba para construir 172 creches só em São Paulo, mas o governo local nunca teria solicitado a liberação do dinheiro. "O ProUni trouxemos para cá porque não dependia dele (governo municipal)", comentou. Haddad disse que, além dos mais pobres, a classe média já sente na pele a ausência de investimentos públicos. "Até a classe média está sentindo os efeitos da falta de investimentos."

Haddad disse à militância que pretende chegar em julho "com o discurso na ponta da língua" e que seu plano de governo, voltado para as áreas de mobilidade, saúde e educação, estará pronto em maio. Ao falar sobre transportes, o pré-candidato disse que, se eleito, vai retomar o plano de investimento em corredores de ônibus interligados a outros modais e que vai continuar direcionando recursos para o metrô, "desde que haja um plano de metas". "O metrô tem que receber mais investimentos, mas mediante contrapartida", acrescentou.

Limite

De acordo com o petista, o sistema de transporte público em São Paulo está "no limite de sua capacidade". "A cultura do transporte individual motorizado vai tomando conta e a cidade vai paralisando. Aí as restrições são uma consequência de uma decisão tomada há oito anos (de abandonar o modelo petista). Enquanto não reverter isso, as políticas restritivas serão inevitáveis, e cada vez mais. Hoje é caminhão, amanhã é transporte individual, depois de amanhã serão os horários, outro dia serão estacionamentos, zona azul. Não vamos parar se não equilibrarmos a cidade. A cidade está desequilibrada do ponto de vista da mobilidade", avaliou.

O petista esteve nesta sexta na região de São Miguel Paulista e visitou também o Jardim Itaim, área próxima da várzea do rio Tietê onde as inundações são comuns em época de chuvas. Haddad viu de perto o dique construído emergencialmente pela Prefeitura para resolver o problema de enchentes. "É, parece que resolveu", concluiu. No final do "tour" pela periferia, o pré-candidato conversou com os petistas da região e distribuiu rosas vermelhas às militantes pelo Dia Internacional da Mulher.

Tudo o que sabemos sobre:
eleiçõesSPHaddad

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.