Haddad e Lula se encontram para discutir conjuntura do País

Haddad e Lula se encontram para discutir conjuntura do País

O prefeito explicou que se reúne 'com frequência' com o ex-presidente no Instituto Lula e que o encontro foi de 'rotina'

Juliana Diógenes, O Estado de S.Paulo

05 Fevereiro 2016 | 13h32

O prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT), reuniu-se com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva nessa quinta-feira, 4, para discutir o cenário político e econômico do País. O prefeito explicou que se encontra “com frequência” com o ex-presidente no Instituto Lula e que a reunião foi de 'rotina'.

“Eu me reúno todo mês, às vezes a cada 60 dias, para discutir conjuntura política e econômica, os problemas que o País está enfrentando, soluções possíveis. Foi rotina”, afirmou.

Segundo o jornal Folha de S. Paulo desta sexta-feira, 5, Lula estaria dando sinais de abatimento e teria chegado a chorar ao falar das investigações que envolvem o filho Luis Cláudio, na Operação Zelotes. Ao ser questionado sobre o tema nesta sexta, Haddad negou que o ex-presidente esteja com quadro depressivo e afirmou que ele “está bem”. “Não senti quadro depressivo. Mas existe aí um debate acontecendo e ele está respondendo às perguntas que estão sendo feitas. Não está se furtando a responder nada. Mas está bem”, disse Haddad.

Nos últimos meses, o ex-presidente tem visto o seu nome e de seus parentes envolvidos em investigações nas operçaões Lava Jato e Zelotes. O caso mais recente trata de um sítio usado pelo ex-presidente e sua família em Atibaia, no interior de São Paulo, que se tornou alvo de investigação da Operação Lava Jato.

Reportagem publicada pelo Estado nesta sexta-feira revelou que a compra do sítio de Atibaia foi formalizada no escritório do advogado e empresário Roberto Teixeira, compadre do petista, no bairro dos Jardins, em São Paulo. O imóvel custou R$ 1,5 milhão, em outubro de 2010, dos quais R$ 100 mil (R$ 143 mil em valores atuais) foram pagos em dinheiro em espécie.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.