Haddad diz que deixa MEC 'relutante' e elogia oposição

BRASÍLIA - Em seu discurso de despedida, o petista Fernando Haddad disse nesta terça-feira que deixa o Ministério da Educação "relutante", com toda a equipe "suada" e elogiou mais uma vez a relação com a oposição, que, na sua opinião, contribuiu para a aprovação de projetos de interesse da pasta. Haddad se desliga do governo federal para se dedicar à campanha pela Prefeitura de São Paulo. Ele ocupava o cargo de ministro da Educação desde julho de 2005. O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva compareceu à solenidade.

Rafael Moraes Moura, Tânia Monteiro e Andrea Jubé Vianna, Agência Estado

24 de janeiro de 2012 | 16h36

"Tenho certeza de que deixo o ministério relutante, porque é um ministério apaixonante, que empolga qualquer pessoa", afirmou Haddad, em cerimônia de posse dos novos ministros Aloizio Mercadante (Educação) e Marco Antonio Raupp (Ciência e Tecnologia)."Quero agradecer à minha equipe, toda ela, agradecer aos esforços feitos por todos vocês, posso lhe assegurar que ninguém ali sai com a camisa seca, saiu todo mundo suado do Ministério da Educação, porque o trabalho é duro, não é simples", discursou o agora ex-ministro.

Haddad defendeu que o futuro de um País não se faz com petróleo e riquezas minerais, mas sim com "educação, ciência, tecnologia e inovação".

"Temos de garantir a todos os brasileiros, indistintamente, a todos, o direito a um passo a mais na educação, daquele que não teve alfabetização e já é adulto, aquele que tem doutorado e quer continuar se aprimorando, temos de garantir a todos esse direito. Essa visão sistêmica da educação, penso que hoje ela envolve a grande maioria da comunidade educacional, que compreendeu de uma vez por todas que esse País não pode ser ver rebaixado a ponto de fazer falsas escolhas em torno de dilemas que não afetam o mundo desenvolvido."

Tudo o que sabemos sobre:
PTHaddadcerimôniaMEC

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.