Haddad diz há 'sentimento de mudança' em São Paulo

A proposta do partido, segundo o petista, será 'arejada, renovadora e ousada'

Aline Bronzati, de Agência Estado

17 de dezembro de 2011 | 14h08

O ministro da Educação, Fernando Haddad, disse neste sábado, 17, que percebe uma vontade de mudança em São Paulo e que sua equipe da pré-campanha à prefeitura quer absorver esse sentimento para montar o planejamento para as eleições. "Há um sentimento de mudança se consolidando e nós queremos captá-lo para estabelecer as diretrizes do programa do governo", explicou, após participar da segunda reunião do Conselho Político do PT, em São Paulo.

 

A proposta do partido, segundo Haddad, será "arejada", "renovadora" e "ousada". Sem detalhar as estratégias do partido para a cidade de São Paulo, o pré-candidato disse que o programa também estará focado no diálogo com o movimento social e com acadêmicos. Ele reafirmou que ainda não há uma data fechada para a sua saída do governo embora recentemente tenha afirmado que trabalhava com o mês de janeiro, acatando o pedido da presidente Dilma Rousseff, que elabora uma reforma ministerial.

 

Questionado sobre o desconhecimento da sua imagem em São Paulo, o atual ministro da Educação disse ser "desconhecido como todos os outros".

Sobre a possível contratação do marqueteiro João Santana para ajudar a construir a sua imagem junto à sociedade paulistana, o ministro informou que isso ainda não está 100% definido. "Há um desejo de algumas pessoas nesta direção pelo apreço ao trabalho dele", destacou ele, que completou: "Eu tenho muita simpatia pelo trabalho dele e um relacionamento pessoal com o Santana muito profícuo".

 

Quanto à possibilidade de a presidente Dilma lhe render mais votos que o apoio do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o petista desconversou e alegou que o PT tem "boas chances" de expressar uma "força" na disputa pela prefeitura de São Paulo. "Tenho identidade com o que o Lula e a Dilma significam para o País. O PT tem 33% de preferência no eleitorado nacional e não é diferente na capital de São Paulo", afirmou.

 

Após oito anos no Ministério da Educação, Haddad deve deixar o cargo em janeiro próximo para disputar a prefeitura de São Paulo em outubro do ano que vem. Mais cedo, o vereador Antônio Donato, presidente do Diretório Municipal do PT, informou que as atividades oficiais do pré-candidato devem começar em fevereiro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.