Evelson de Freitas/AE
Evelson de Freitas/AE

Haddad critica cobrança de pedágio entre cidades da Grande São Paulo

Para petista, cobrança dificultaria 'a circulação da riqueza e das pessoas' na região metropolitana

Bruno Lupion, do estadão.com.br - Texto atualizado às 20h

16 de julho de 2012 | 17h25

O candidato do PT à Prefeitura de São Paulo, Fernando Haddad, criticou nesta segunda-feira, 16, a cobrança eletrônica de pedágio em rodovias que interligam cidades da Região Metropolitana de São Paulo. O novo modelo de cobrança, por quilômetro rodado, está sendo testado pelo governo do Estado na SP-75, entre Indaiatuba e Campinas.

"A circulação da riqueza e das pessoas dentro da região metropolitana precisa ser facilitada, e o pedágio urbano vai no sentido contrário dessa integração", afirmou Haddad, durante caminhada em São Mateus, na região leste da capital.

Segundo reportagem do jornal Folha de S. Paulo, o pedágio eletrônico poderia ser aplicado na ligação da capital ao aeroporto de Cumbica, a São Bernardo do Campo e a Cotia, entre outros. Em nota, a Agência de Transporte do Estado de São Paulo (Artesp) afirmou que não há prazo para a implementação do novo sistema de cobrança e que o modelo levará em conta as particularidades de cada estrada.

Haddad também criticou a 'falta de liderança' do prefeito Gilberto Kassab (PSD) para desenvolver políticas públicas articuladas entre as cidades da região metropolitana, especialmente em relação ao transporte. Para o candidato do PT, novas restrições ao deslocamento dentro da mancha urbana não devem ser propostas antes 'da retomada do investimento em transporte público', e citou como 'mau exemplo' o adiamento, por três anos, da entrega da linha 6 do Metrô, que estava inicialmente prevista para 2016 e ficou para 2019.

Educação. No corpo a corpo com os eleitores, Haddad perguntou a diversos jovens se haviam concluído os estudos e se conheciam as bolsas do ProUni. A pergunta intrigou a vendedora de roupas Tabata de Lamar, 27 anos, que concluiu o Ensino Médio e ainda não conhecia o ex-ministro da Educação do governo Lula. 'Por que ele me perguntou se eu tinha terminado os estudos? Ele é de alguma faculdade?', questionou. Aos pedestres, Haddad lembrava que o governo federal está construindo uma universidade em Itaquera, também na Zona Leste.

A caminhada de Haddad foi acompanhada de um carro de som no qual um locutor destacava que o candidato 'tem o apoio do presidente Lula e da presidenta Dilma, e criou o Prouni, que beneficiou em São Paulo mais de 100 mil jovens'.

No trajeto, Haddad recebeu apoio de passageiros de micro-ônibus e, por dois momentos, cruzou com um segundo carro de som que tocava o jingle do candidato do PSDB, José Serra, o que despertou olhares pouco amigáveis de alguns cabos eleitorais.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.